nsc
nsc

Beira-rio

VÍDEO: Policial Militar atira contra cachorro de flanelinha em Itajaí

Compartilhe

Dagmara
Por Dagmara Spautz
14/02/2020 - 10h47 - Atualizada em: 15/02/2020 - 11h44
Cachorro foi socorrido por pessoas que estavam na avenida (foto: Reprodução)
Cachorro foi socorrido por pessoas que estavam na avenida (foto: Reprodução)

Um policial militar atirou contra o cachorro de um flanelinha na Avenida Beira-Rio, na noite de quinta-feira (13). O cão foi socorrido por pessoas que estavam em um restaurante no local, e levado a uma clínica veterinária. O ferimento do animal causou comoção entre os frequentadores da avenida, que é a via gastronômica de Itajaí.

A Polícia Militar afirmou, em nota, que vai instaurar procedimento na Corregedoria para avaliar a situação. Informou que o policial abordava o flanelinha quando o cão avançou e "chegou próximo a morder". O comunicado diz que a reação do animal foi "inesperada" e que o policial atirou para "preservar sua integridade física".

Pessoas que presenciaram a ocorrência, no entanto, contestam a versão:

— O cachorro latiu para o policial, ele sacou a arma e atirou. E saiu batendo no peito, dizendo "atirei mesmo". Perguntamos se eles não iriam chamar alguém, socorrer o cachorro. Um dos policiais disse, "por que não chamam vocês"? — informou, por meio de mensagem, uma mulher que estava em um restaurante e acompanhou o caso.

Diversas testemunhas reclamaram sobre a reação dos policiais após o cão ter sido atingido.

— A população ficou indignada, gritando com o policial, perguntando como tinha feito isso com o animal. E ele rindo. Quando começou a reunir muita gente, chamaram reforço - diz Stefany Louise, que registrou em vídeo o resgate do cachorro.

Pelo menos quatro viaturas atenderam a ocorrência na Avenida Beira-Rio. Mas nenhuma delas levou o cachorro para atendimento veterinário.

A PM informou que pediu auxílio da prefeitura de Itajaí para o resgate do cão, mas que "populares o socorreram antes da chegada do profissional". O protocolo de resgate da prefeitura de Itajaí prevê que sejam atendidos animais em situações como atropelamentos, maus tratos, agressivos ou em estado precário de saúde.

Leia também: Família argentina é flagrada carregando a sogra no porta-malas

A prefeitura de Itajaí confirmou que o Instituto Cidade Sustentável (ICS) foi acionado pelos policiais, mas que o cachorro não foi localizado quando o resgate chegou ao local.

O dono do animal foi liberado após a revista, porque não havia nada contra ele.

Cachorro é dócil

Pessoas que trabalham e frequentam a Avenida Beira-Rio relataram que o animal é dócil e nunca foi visto atacando ninguém. O animal teria se estressado ao ver os policiais revistando e mexendo nos pertences do dono - uma reação normal para um cão de companhia.

— Um policial de farda, coturno, dizer que um cachorro de rua estava mordendo ele? Atirar, em uma avenida onde tem um monte de crianças passando, via cheia? — questionou Stefany.

O local para onde o animal foi levado é mantido em sigilo pelas pessoas que o resgataram, que têm medo de represálias. Ele teria sido ferido na perna, e passa bem.

Ainda de acordo com testemunhas, policiais teriam ameaçado algemar um homem que participou do socorro.

A vereadora Renata Narciso, que é protetora animal, informou, na manhã desta sexta-feira (14), que vai registrar Boletim de Ocorrência e pedir que o caso seja apurado.

Protocolo especial

A advogada Renata Fortes, da Associação Catarinense de Proteção aos Animais (Acapra), diz que é natural que um cachorro lata ou tente morder ao ver o dono em situações que ele reconhece como perigo. E defende um manual de atuação dos policiais para proteger os animais de excessos, especialmente quando se trata de pessoas em situação de rua:

— O animal tem um laço afetivo, e pode ter uma reação. Se a PM vai fazer abordagens com pessoas em situação de rua, tem que ter um protocolo especial.

Desde 2017, a legislação estadual reconhece cães como seres sencientes e Santa Catarina. A lei reconhece que os animais sentem dor e angústia, e estabelece que esses sentimentos devem ser levados em consideração - o que torna mais graves situações de tratamento cruel.

Nota do 1º Batalhão da PM em Itajaí:

"Sobre o disparo de arma de fogo que atingiu um cão, no bairro Beira Rio, na noite de quinta-feira, 13, a Polícia Militar esclarece que:

1. Os policiais estavam realizando um procedimento de rotina, que é a abordagem a pessoas suspeitas;

2. O homem abordado possui 12 boletins de ocorrência, com passagens por furto, furto em veículo e tentativa de homicídio;

3. A reação do cão a abordagem foi inesperada, de acordo com o relato do policial, ele tentou se desvencilhar do animal andando para trás, mas acabou se desequilibrando momento em que o cão chegou próximo a mordê-lo sendo necessário realizar um disparo com a arma de fogo para preservar sua integridade física;

4. Os policiais acionaram a Prefeitura Municipal para prestar atendimento veterinário ao cão, mas populares o socorrem antes da chegada do profissional;

5. Os fatos narrados e noticiados serão objeto de um procedimento apuratório, a ser realizado pela Corregedoria da Polícia Militar.

Quartel em Itajaí, 14 de fevereiro de 2020".

Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que sai aqui no blog. É só procurar por Dagmara Spautz - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/dagmaraspautz​

Deixe seu comentário:

Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Últimas do colunista

Loading interface...
Dagmara Spautz

Colunista

Dagmara Spautz

O que acontece de mais relevante em boa parte do litoral catarinense, especialmente Itajaí e Balneário Camboriú. Fontes exclusivas e informações de credibilidade nas áreas de política, economia, cotidiano e segurança.

siga Dagmara Spautz

Mais colunistas

    Mais colunistas