Em tese, Carlos Moisés (PSL) decidiu pela continuidade na segurança pública. Em tese. Porque há alguns pontos, importantes e essenciais, totalmente novos a serem observados. Resta saber se o time seguirá vencendo ou não, pois a criminalidade teve queda nesses últimos 11 meses de 2018 em Santa Catarina, incluindo redução de 20% dos homicídios.

Continua depois da publicidade

As manutenções: coronel Araújo Gomes no comando da Polícia Militar e Geovani Eduardo Adriano na direção do Instituto Geral de Perícias (IGP). No Corpo de Bombeiros, o coronel João Valério Borges ficará só até fevereiro. Portanto, haverá troca de comandante na corporação da qual Moisés é coronel da reserva.

A dinâmica do coronel Araújo Gomes

Gomes certamente não recuará das premissas que o destacaram, a dinâmica de movimentar constantemente as tropas para ações em pontos conflagrados do Estado e de capturar lideranças do crime organizado. Geovani Adriano tem a missão de ampliar a presença da tão necessária perícia catarinense, principalmente pelo interior.

As saídas: secretário de Segurança Pública Alceu de Oliveira Pinto Júnior e delegado-geral da Polícia Civil Marcos Ghizoni. No caso de Alceu, não haverá mais secretário na pasta e sim o colegiado entre as instituições que alternarão o presidente a cada ano.

Conciliador e comunicativo, Alceu conseguiu nesse período um bom desempenho e livrou o status de “ninguém vai falar” da Secretaria de Segurança em episódios de crises.

Continua depois da publicidade

Civil retomou operações em 2018

Marcos Ghizoni dará lugar ao delegado Paulo Koerich, este um policial experiente, vindo de um grupo com décadas de instituição. Escolhido por Moisés e pessoas próximas ao governador eleito, Koerich é praticamente unanimidade entre colegas.

Já Ghizoni, apesar de elogiado pelo governador Eduardo Pinho Moreira (MDB) no balanço de governo, era contestado e não tinha 100% dos policiais nas mãos. Mesmo assim, alcançou números que deixarão Koerich com ainda mais responsabilidade.

No comando de Ghizoni, por exemplo, a Polícia Civil cumpriu 4,6 mil ordens judiciais de busca e apreensão e 5,2 mil de prisões. A Civil mudou a postura de desmotivação, passou a emplacar operações impactantes rotineiramente nas ruas e até dentro do sistema prisional.

O diretor-geral

O novo desenho do colegiado da segurança inclui a presença de um diretor-geral. O cargo será ocupado pelo coronel da reserva dos Bombeiros Flávio Graff, que vinha atuando na comunicação de Moisés. Graff cuidará do funcionamento rotineiro da área, incluindo a parte administrativa.

Continua depois da publicidade

Aliás, nos últimos dias, entre fotos e comentários de despedidas, sobraram brincadeiras sobre o destino de alguns comissionados que por anos ocupavam alguma cadeira de destaque na segurança pública.

Leia mais notícias e análises de Diogo Vargas

Destaques do NSC Total