Em uma reunião de despedida, o secretário de Segurança Pública (SSP), Alceu de Oliveira Pinto Júnior, afirmou que segurança pública já não é mais o maior problema de Santa Catarina. Declarou ainda que não teve fórmula mágica para a queda de 20% dos homicídios.

Continua depois da publicidade

– Hoje é a terceira preocupação. Saúde e educação vem antes – disse, em discurso aos servidores, no auditório da Secretaria, em Florianópolis.

A fala consta em um vídeo de seis minutos divulgado pela assessoria. Foi na quinta-feira passada pouco antes do governador eleito Carlos Moisés (PSL) divulgar os integrantes do futuro colegiado superior de segurança pública, do qual Alceu não fará parte.

"Sem fórmula mágica"

O secretário começou a exposição dizendo que antes de ocupar o cargo era considerado pedra na segurança, pois dava opinião sobre a área – ele é advogado e doutor em direito penal, o que o fazia ser procurado pela mídia para avaliar as ações como especialista.

Em seguida, emendou sobre os resultados nos dez meses de gestão. O principal foi a diminuição de 20% dos homicídios, mas também houve redução de roubos e furtos.

Continua depois da publicidade

– Não teve fórmula mágica. Teve muita sorte. Não teve técnicas específicas. Ninguém reinventou a roda novamente. Houve trabalho muito de equipe. Integração.

"Ciúmes"

Alceu completou assinalando que em alguns momentos houve até ciúmes pelo trabalho desenvolvido:

– Em alguns momentos até causando um pouquinho de ciúmes em algumas pessoas… era protagonista e virou coadjuvante de um momento para outro – comentou.

Ele destacou os investimentos para as operações, a participação dos servidores, secretarias e órgãos do governo. Terminou dizendo que cumpriu a missão.

Continua depois da publicidade

– Fui feliz. Realizei um sonho. Não de ser secretário de Segurança, mas o de junto com a equipe ter a missão cumprida. Terminamos muito mais do que ele (governador Eduardo Pinho Moreira) tinha proposto e a sociedade esperava.

Colegiado de Moisés

Nas últimas entrevistas, Alceu dizia que preferia por enquanto não opinar sobre a decisão do governador eleito de não ter mais a figura do secretário de Estado da Segurança Pública.

Dizia que primeiro queria conhecer a proposta de Moisés sobre como será a gestão compartilhada.

A partir de 2019, o comando da segurança passará a ser de um colegiado formado pelos chefes das duas polícias, Bombeiros e Instituto Geral de Perícias (IGP). A cada ano, o representante máximo de cada instituição presidirá o grupo.

Plano de segurança

Um dos últimos atos da atual equipe foi disponibilizar no site da secretaria o Plano Estadual de Segurança Pública e Defesa Social/2018-2028. O documento tem 178 páginas.

Continua depois da publicidade

Leia mais notícias e análises de Diogo Vargas

Destaques do NSC Total