nsc
    nsc

    Rolê com Edsoul 

    Documentário traz memória, sexualidade, resistência e o envelhecer do homem gay no Brasil

    Compartilhe

    Edsoul
    Por Edsoul
    20/05/2020 - 14h32
    documentário
    Renato Turnes e Eduardo Fraga. (Foto: Divulgação)

    Lembro-me que quando moleque fui assistir um espetáculo teatral que rolou em pleno Largo da Catedral Metropolitana. Nele, havia uma personagem magrela, com roupas escandalosas e uma fisionomia engraçada, propícia para que eu e meus amigos também pré adolescentes, caíssemos na gargalhada.

    Pois bem, passados alguns anos, fui contratado como auxiliar de produção na empresa Studio de Atores, da minha irmã e atriz Andrea Buzatto, e lá, me foi apresentado o ator que havia assistido. Trata-se de um gênio dramaturgo, Renato Turnes, um dos mais competentes artistas que temos na região sul brasileira. ]

    Óbvio, ele nunca soube do episódio que me fez rir e sequer, conversamos a respeito. Fato é que a convivência, mesmo que por um período, me fez ser admirador e fã deste incansável da cultura. Quando o material abaixo me foi sugerido, não pensei duas vezes antes de publicar. Meu mano, lhe desejo tudo de melhor. Sucesso!

    A La Vaca Companhia de Artes Cênicas, em parceria com a Vinil Filmes, acaba de lançar nas redes o trailer de Homens Pink, documentário de Renato Turnes sobre memória, sexualidade, resistência e o envelhecer do homem gay no Brasil.

    O diretor e ator encontrou, em São Paulo e em Florianópolis, 9 homens gays dispostos a compartilhar com ele suas memórias: Carlos Eduardo Valente, Celso Curi, José Ronaldo, Julio Rosa, Eduardo Fraga, Luis Baron, Tony Alano, Paulinho Gouvêa e Wladimir Soares.

    Os primeiros desejos, o despertar da sexualidade, o fervo da juventude gay num país sob a ditadura militar, a devastação da epidemia da AIDS, o enfrentamento das perdas e do estigma, a festa como território de resistência, estão presentes e registradas no filme, que é também uma reflexão sobre a passagem do tempo e o envelhecer do homem gay no Brasil. 

    No país em que vivemos hoje, ouvir as memórias desses orgulhosos sobreviventes e reconhecer a herança de suas lutas insere nossa experiência numa perspectiva de irmandade. É um intenso e afetuoso aprendizado de resistência para a comunidade LGBTQI+.

    O filme já está sendo inscrito em festivais por todo o mundo, e em breve poderá ser visto no Brasil, mas o trailer já pode ser conferido no canal da La Vaca no youtube.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas