nsc
    nsc

    Rolê com Edsoul

    Geração de rendas, criatividade e sustentabilidade nas quebradas

    Compartilhe

    Edsoul
    Por Edsoul
    04/06/2020 - 16h06
    projeto

    As quebradas catarinenses estão cada vez mais criativas quando se trata de buscar geração de renda para as família. Na comunidade Maloka, lado continental de Floripa, o Projeto Vivendo e Aprendendo, liderado pelo incansável Samuka, está investindo na reesignificação de objetos em vidro. 

    O Veaeco é um conceito que surgiu na iniciativa através dos queridos Tobé e Nego Bylla, professores de musicalização e do próprio Samuka. Os adultos estão na produção para ajudar as famílias das crianças e adolescentes atendidos por lá, que antes da pendemia desenvolviam suas aptdões nas oficinas, workshops e cursos de arte, cultura e sustentabilidade. 

    Em meio a pandemia surgiu via eco com objetivo de transformar as garrafas de vidro, dando um novo sentido e destino. Eco copos, vasos, cinzeiros e jogos de sobremesa, são alguns dos ítens desenvolvidos na comunidade. Tudo de forma sustentável e ecológica.

    Quem quiser conhecer mais sobre as atividades que estão rolando por lá, segue os contatos: Instagram: @veaeco, @socialvivendoeaprendendo, @bandanavea. Telefone e Whatsapp: (48) 999322112 Samuel ou (48) 991913909 Roberto.

    copos
    (Foto: )

    Na Vila União, comunidade do Norte da ilha pacificada através da Operação Mãos Dadas da Polícia Militar, a cooperativa de mulheres está cada vez mais ativa e movimentada. Por lá, são confeccionadas máscaras, pijamas, roupas ítimas e até, conserto de vestimentas.

    Quem me deu esse toque, foi o Ronnie, líder comunitário da quebrada, que representou a comunidade no projeto Alô Comunidade, do nosso Jornal do Almoço. Além de estar produzindo para os próprios moradores, as guerreiras da Cooperativa Mão Dadas, tem feito lotes grandes para empresas que as contratam e assim, contribuem para as melhorias necessárias. 

    Ou seja, hoje em dia, a Vila União é um exemplo a ser seguido por outros guetos da Grande Florianópolis. Por lá, os contatos podem feitos com a Heloisa (48) 99856-5488.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas