nsc
    nsc

    Reflexão

    Quanto vale o negro

    Compartilhe

    Edsoul
    Por Edsoul
    23/11/2019 - 10h18 - Atualizada em: 23/11/2019 - 10h26

    Florianópolis é a capital com o maior Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM) do país e desponta nacionalmente como um importante pólo tecnológico. No entanto, as desigualdades sociais ainda são profundas. A diferença salarial entre a população negra e a branca na cidade, por exemplo, chega a R$ 1,4 mil. É o que revelam dados levantados pelo Instituto Comunitário Grande Florianópolis (ICOM) na elaboração do novo Sinais Vitais, um diagnóstico social que vai tratar da situação de adolescentes e jovens no mundo do trabalho.

    Uma das fontes que embasa o estudo é a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), que mostra que, em 2018, enquanto pessoas que se autodeclaravam pretas e pardas trabalhavam 34,6 horas/semana e 37,8 horas/semana, respectivamente, pessoas declaradas brancas trabalhavam em média 33,2 horas/semana.

    Em relação ao salário, a pirâmide muda. O rendimento mensal dos brancos na cidade era de R$ 3.594 em 2018, enquanto pessoas declaradas pardas recebiam R$ 2.559 (R$ 1.035 a menos) e pretas R$ 2.158 (R$ 1.436 a menos que os brancos).

    Os dados completos da pesquisa serão divulgados em março de 2020. Até lá, nós seguimos refletindo sobre como agregar e, jamais subtrair.

    Ainda não é assinante? Assine e tenha acesso ilimitado ao NSC Total, leia as edições digitais dos jornais e aproveite os descontos do Clube NSC.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas