publicidade

Navegue por
Eduarda

SAÚDE EM JOGO

Leitos são fechados no maior hospital da Serra; Governador se compromete a reavaliar a decisão

Compartilhe

Por Eduarda Demeneck
03/04/2019 - 09h30 - Atualizada em: 03/04/2019 - 09h47
Foto: Jaqueline Noceti / Secom

Desde o mês passado 13 leitos no Hospital Tereza Ramos, em Lages estão fechados. A ala de infectologia, do 5º andar está sem uso. Com isso, pacientes que precisam ser internados aguardam no Pronto Atendimento Municipal de Lages. A unidade é a porta de entrada do hospital. Com exceção da obstetrícia, todos os casos clínicos que precisam de internamento passam pelo Pronto Atendimento. O governador Carlos Moisés esteve nesta terça-feira (02), em Lages, e comentou o assunto. Segundo ele, um dos motivos do fechamento é a falta de servidores, mas se comprometeu em reavaliar a reabertura da ala do 5º andar. A diretora do Hospital Tereza Ramos, Andréa Berto, disse que os leitos fechados serão realocados para outros andares. A intenção é agilizar o atendimento.

“Antigamente, essa ala era chamada de Infectologia. Aqui tínhamos pacientes que saíam da Unidade de Terapia Intensiva (UTI), mas poderiam ser atendidos em outros espaços”, afirma a diretora Andréa Berto.

Leia também: Quase 40% do público-alvo em SC ainda precisa tomar a vacina contra a febre amarela

A decisão preocupa o Sindicato dos Servidores da Saúde do Estado. De acordo com o órgão o hospital não tem estrutura suficiente para comportar essa demanda. - "Temos problemas, ou tínhamos segundo a diretora problemas de infiltração. Sabemos que falta alguma rede de oxigênio, campainha em alguns quartos. Então, não sei se o hospital dispõe de espaço físico pra realocar todos esses treze leitos" – explica, Ivanise Simon, Diretora Sind Saúde de Lages.

Já a diretora do Pronto Atendimento Municipal, Francine Formiga, teme uma superlotação na unidade.

- "Nós temos pacientes aqui que já chegaram a ficar oito, nove dias. E aqui a gente não tem estrutura, nós não somos um hospital. E agora com uma diminuição de treze leitos o nosso medo é que isso aumente muito mais. Nós estamos sim com medo de uma superlotação e a gente não ter mais onde colocar paciente" – comenta. O hospital é o maior da região serrana, e abrange, também, o Meio-Oeste, parte do Oeste e Vale do Itajaí.

Deixe seu comentário:

publicidade

Navegue por
© 2018 NSC Comunicação
Navegue por
© 2018 NSC Comunicação