Com belezas cantadas em versos e um dinâmico setor de tecnologia e inovação, Florianópolis, já conhecida como “Ilha do Silício”, se consolida também como ilha de oportunidades para trabalhar. A renda média do município, que completou nesta quinta-feira 350 anos, é 77% superior a do Brasil.

Continua depois da publicidade

Receba as principais notícias de Santa Catarina pelo Whatsapp

Diversos números mostram crescimento, mas o que resume é o resultado prévio do novo Censo do IBGE. De 421 mil habitantes em 2010, agora são 574 mil, 36,6% mais ou um acréscimo de mais 150 mil pessoas em 12 anos.

Nesse período, teve o crescimento normal da cidade, mas milhares são migrantes. Vieram para trabalhar ou simplesmente para residir num local com natureza esplêndida e muitas praias. São mais de 40 somente na ilha.

Considerando a população com trabalho formal, a maioria atua nos setores de serviços e comércio, incluindo setor público, tecnologia e setor de saúde.

Continua depois da publicidade

Segundo o IBGE, a renda média dos trabalhadores formais do município em 2020 era de de 4,4 salários mínimos, o equivalente hoje a R$ 5.729, sendo a maior renda média do Estado e a 14ª maior do Brasil.

Mas segundo dados mais recentes, do quarto trimestre de 2022, apurados pela Pnad Trimestral do IBGE, considerando rendimento mensal de todos os trabalhadores, a renda média de Florianópolis é de R$ 4.979.

Esse valor é 58% maior que o rendimento médio de Santa Catarina, que em dezembro era de R$ 3.146; e 77% superior à renda média do Brasil, que estava em R$ 2.808 no mesmo período.

Pessoas caminham à noite na Beira-Mar de Florianópolis Foto: Divulgação

Apesar da renda média alta, a capital catarinense também enfrenta pobreza. Segundo o IBGE, em 2020, as pesquisas apuraram que Florianópolis tinha 24,6% da população que vivia com até meio salário mínimo por mês.

Continua depois da publicidade

Se essa média se manteve, considerando a população do novo Censo, de 574 mil pessoas, em 2022 a capital tinha 141 mil moradores com renda per capita de até meio salário mínimo.

Além disso, o prefeito Topázio Neto falou em evento esta semana que o município tem cerca de 20 mil pessoas em condições de pobreza, que necessitam de atenção especial. Segundo ele, essa é a Floripa invisível.

Mas a Floripa visível tem atraído cada vez mais pessoas de outras cidades catarinenses, outros estados e do exterior. Elas vêm fixar residência na cidade para trabalhar ou empreender num local com qualidade de vida.

Chama a atenção um perfil de morador mais recente, que atua no setor de tecnologia local ou de qualquer lugar do mundo, mas tem foco em qualidade de vida.

Continua depois da publicidade

Pode trabalhar em home office, mas faz questão de praticar esportes ao ar livre e de ter uma alimentação tipo mediterrânea, com mais frutos do mar.

Um jovem de Campo Grande, Mato Grosso do Sul, que é contratado por multinacional dos Estados Unidos para trabalhar em home office para empresa de software da Alemanha, me contou que mudou para Florianópolis para poder pedalar todos os dias à beira-mar. Este é um estilo de vida da “Ilha do Silício” que ganha cada vez mais adeptos.

Leia também

Destino Floripa inaugura portal e festeja os 350 anos de Florianópolis

Florianópolis terá projeção no Brasil e exterior  via selo Unesco da Gastronomia

Governo lança Programa SC Inovadora para acelerar o setor de tecnologia

Dia Mundial da Água: programa ensina agricultores a preservar águas

Destaques do NSC Total