nsc
    nsc

    Ensino superior

    Alunos da Furb poderão escolher assistir às aulas em sala ou vídeo no segundo semestre

    Compartilhe

    Evandro
    Por Evandro de Assis
    25/06/2020 - 14h23
    Prova de fogo da universidade será o período de rematrículas (Foto: Patrick Rodrigues)
    Prova de fogo da universidade será o período de rematrículas (Foto: Patrick Rodrigues)

    Cem dias depois de interromper as aulas presenciais em obediência ao decreto estadual que impôs quarentena aos catarinenses, a Furb projeta o segundo semestre com ao menos parte dos estudantes em sala. 

    A proposta é transmitir as aulas ao vivo pela internet para quem não puder ou não quiser comparecer devido à pandemia de Covid-19. Tudo condicionado ao aval das autoridades de saúde.

    — Não teremos salas cheias, isso é certo — prevê a reitora Marcia Sardá Espíndola.

    Apesar das restrições impostas ao trabalho acadêmico, a universidade comemora a inadimplência de apenas 11% no período, pouco acima dos usuais 9%. Há instituições da Acafe amargando até 38%, segundo Marcia. Para atingir o resultado, foi necessário flexibilizar a renegociação de dívidas, o que diminuiu a receita imediata.

    Também não há sinais de grande evasão, mas a prova de fogo virá no período de rematrícula, em julho. A gestão da universidade está confiante com o novo momento:

    — A Furb não é mais a mesma e nem voltará a ser como era.

    Ensino online

    Impressiona a velocidade com que a Furb deixou para trás o tabu do ensino online. Uma transformação que há anos encontrava resistências aconteceu em poucos dias. O calendário acadêmico praticamente não foi prejudicado.

    Ouvi professores de diferentes centros de ensino. A avaliação é de que o sistema de aulas pela internet trouxe sobrecarga de trabalho, agravada neste fim de semestre, mas funcionou melhor do que o esperado.

    Um estudo conduzido pelos professores Maiko Spiess, Marcos Mattedi e Leandro Ludwig, do Núcleo de Estudos da Tecnociência, sondou estudantes da Furb por duas vezes, em abril (1.045 respostas) e maio (619) sobre o que chamam de "recessão social". A pesquisa identificou adaptação rápida às aulas mediadas por computador, mas também o desejo de retomar encontros presenciais.

    — Estamos entendendo que o aluno quer vir para a universidade, interagir com as pessoas, mas não necessariamente precisa de aula teórica em sala — analisa Mattedi.

    Para o professor, as universidades estão conseguindo desenvolver em semanas, no tranco, o que levariam anos para transformar. Por outro lado, há preocupação com uma fadiga dos estudantes, e também dos professores, sob a avalanche de informações mediadas por tecnologias digitais.

    Fenômeno que talvez apareça nos resultados de uma terceira rodada da pesquisa, a ser realizada ainda neste semestre.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas