Três familiares de crianças vítimas do ataque à creche Cantinho Bom Pastor, em Blumenau, serão recebidos nesta terça-feira (18) em Brasília. O pai de Bernardo Cunha Machado, 5 anos, mais a mãe e a madrinha de Bernardo Pabst da Cunha, 4, acompanharão uma comitiva de políticos de Santa Catarina em visita a autoridades da República. Por enquanto, estão previstas audiências no Congresso Nacional, no Supremo Tribunal Federal e no Ministério da Justiça.

Continua depois da publicidade

Receba notícias de Blumenau e região direto no Whatsapp

A viagem é para pressionar por medidas governamentais de reação ao assassinato das quatro crianças. Também morreram na tragédia, ocorrida em 5 de abril, Larissa Maia Toldo, 7, e Enzo Marchesin Barbosa, 4.

As audiências com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP), com a presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Rosa Weber, e com o ministro da Justiça, Flávio Dino (PCdoB), foram articuladas pelo deputado federal Jorge Goetten (PL). Há uma possibilidade do grupo ser recebido pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que acaba de retornar de viagem internacional. Lula terá uma reunião nesta terça com representantes dos três poderes para discutir ações de proteção escolar.

Creche alvo de ataque em Blumenau reabre 13 dias após assassinato de 4 alunos

Continua depois da publicidade

De Blumenau, acompanham a comitiva o prefeito Mário Hildebrandt (Podemos), o presidente da Câmara de Vereadores, Almir Vieira (PP), o secretário de Comunicação, André Espezim (Podemos) e a secretária de Assistência Social, Patrícia Sasse.

Hildebrandt disse na sexta-feira que pretende pedir às autoridades mais rigor na legislação penal contra os autores de crimes como o ocorrido em Blumenau. Na semana passada, vereadores de Blumenau entregaram ao ministro Flávio Dino, que visitou Florianópolis, uma minuta de projeto de lei a ser enviado ao Congresso. Ela aumenta o tempo de prisão para assassinos que cometem crimes em instituições de ensino.

Receba textos e vídeos do colunista Evandro de Assis direto do Whatsapp

Leia também

Câmara destina verba, mas Blumenau descarta portas giratórias em escolas e creches

Literatura de Blumenau ganha destaque nacional outra vez

Chegou a hora de Blumenau voltar a falar da passarela na Prainha

Políticos de Blumenau tentam protagonizar mudanças na lei penal após ataque a creche

Destaques do NSC Total