nsc
    nsc

    Pianístico 2021

    Ao vivo e online, um dos grandes eventos da música no país chega a sua quarta edição em 2021

    Compartilhe

    Gerson
    Por Gerson Junior
    20/01/2021 - 10h45
    Pianista lituana Muza Rubackyte foi um dos destaques da terceira edição.
    Pianista lituana Muza Rubackyte foi um dos destaques da terceira edição. (Foto: Divulgação Pianístico)

    O Pianístico de Joinville - Todos os Pianos do Mundo, já tem data marcada para reencontrar o público, de 15 a 19 de setembro de 2021.

    O evento, com números impressionantes, vêm se firmando como um dos mais importantes festivais de música do país e o mais importante festival de pianos da América do Sul.

    Quer receber notícias de Joinville e Norte de SC por WhatsApp? Clique aqui e entre no grupo do A Notícia.

    Com características que vão da reunião de diferentes gêneros e estilos à ênfase na programação didática, que atende desde crianças das redes municipais de ensino até profissionais da música, o festival transforma Joinville na capital do piano.

    A cidade, que se notabilizou por seu festival de dança, agora tem no piano seu outro atrativo cultural e turístico. Sua primeira edição, em 2018, já mostrava que o festival vinha para ser mais um dos eventos que transformaram Joinville na capital cultural do sul do país, ao lado do Festival de Dança e do Teatro Bolshoi no Brasil.

    Em sua segunda edição, realizada em setembro de 2019, o sucesso da primeira edição se repetiu, com grande presença de público, ampla repercussão na imprensa do estado de Santa Catarina e veiculações em TVs nacionais, presença de muitos turistas na cidade de Joinville e a atuação de pianistas brasileiros e internacionais de grande qualidade.

    A terceira edição, realizada em dezembro de 2020, no momento em que o Brasil e o Mundo vivem a pandemia de Covid 19, mostrou outras formas de proporcionar a arte, com cursos e workshops com presença de público, apresentações de grande sucesso no sistema drive in – onde o público pode apreciar os shows de dentro de seus veículos, além de apresentações ao vivo, transmitidas do exterior e da própria cidade de Joinville para todo mundo, pela internet. A adesão de público de diferentes estados brasileiros e de diferentes países mostrou o acerto na transmissão pela internet, que permanecerá nas demais edições do festival. Toda a programação levou em conta rígidos protocolos de saúde, determinados pelas autoridades municipal e estadual, garantindo a segurança necessária aos artistas, produtores, equipe, público presente e demais envolvidos.

    Em suas três primeiras edições, o Pianístico reúne números muito expressivos: - mais de 210 horas de música - 65 pianistas de várias partes do mundo - público de mais de 50.000 pessoas, entre presencial e online - palestras sobre história da música que deverão chegar em 2021 a mais de 40 mil crianças das redes públicas de ensino de Santa Catarina - pianos espalhados por toda cidade - quase 4 milhões de reais em mídia espontânea. - o relatório de clipagem das duas edições contém mais 1.000 páginas, reunindo registros de rádio, jornais, revistas e web, com mais de 3 horas de televisão, em redes estadual e nacional.

    Cerca de 900 notícias em mais de 130 diferentes veículos, reproduzidos em mais de 200 dias. Estas 50.000 pessoas estiveram presentes nos concertos, shows, cursos e palestras, realizadas em teatros, escolas municipais, shopping centers, restaurantes, galerias de arte, livrarias, confeitarias e escolas de música ou acompanharam as muito concorridas lives realizadas na edição de 2020.

    Com mais de 127 mil visualizações, as lives descortinaram um novo universo e um novo público, atraindo também o olhar de diferentes povos para a cidade de Joinville e o Estado de Santa Catarina. Grandes nomes da música nacional e internacional estiveram presentes nas duas edições. Nomes consagrados de países, como Ucrânia, Letônia, Lituânia, Rússia, Alemanha, Espanha, Israel, Estados Unidos, Nicarágua, Itália, Argentina e China, estiveram ao lado dos mais importantes pianistas brasileiros, em espetáculos que vão do clássico ao popular, passando por gêneros como o jazz, o blues, e a música instrumental brasileira das mais diferentes épocas, enchendo de sons a cidade.

    Todo este sucesso promete se repetir em 2021, quando, em setembro, Joinville sediará a quarta edição do mais importante festival de pianos da América do Sul, com a presença de público em todas suas atividades, além da transmissão online de todos os concertos, shows, workshops e cursos.

    O festival está associado a dois pilares da área cultural que vêm trabalhando em sua consolidação: Albertina Tuma, produtora cultural nacionalmente reconhecida por sua marcante atuação no cenário cultural e artístico. Sua maior criação, foi, no ano de 1983, o Festival de Dança de Joinville, juntamente com o bailarino Carlos Tafur, e que em 2019 chegou a sua 37ª edição, evento este que projetou a cidade para o mundo.

    Por sua dedicação e conquistas, ganhou o Prêmio Mambembe de 1988, no Rio de Janeiro; recebeu homenagem do Teatro Municipal de São Paulo em 2000 e, mais recentemente, da Câmara de Vereadores e do próprio Festival de Dança de Joinville, dentre inúmeros outros. Também por sua atuação, foi escolhida para Patronesse da Festa das Flores 2019.

    A Branco Produções, empresa com mais de vinte e cinco anos de atuação em toda América do Sul, já produziu os principais nomes da cultura brasileira e diversos nomes da música e da dança mundial e tem em seu currículo mais de 4.000 eventos produzidos. Por suas inúmeras realizações, foi agraciada, no ano de 2010, com o Prêmio Açorianos Menção Especial, o mais importante prêmio da música no estado do Rio Grande do Sul. Foi curadora e produtora de algumas das principais instituições culturais do país, como Santander Cultural, Teatro CIEE, Teatro do Sesi de Porto Alegre,SESI Nacional, Museu do Estado de Pernambuco e o Instituto Ling.

    O Pianístico contou ainda com o pianista Miguel Proença em sua primeira edição. Conceituado nome das artes brasileiras, com larga atuação como instrumentista e diretor artístico de diversas instituições, Miguel não está mais a frente do projeto porque assumiu o cargo de Presidente da Funarte e, após deixar este cargo, outras funções de grande importância.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas