nsc
    nsc

    Cidadania

    Reconstrução de vida: a educação em presídio feminino

    Compartilhe

    Laine
    Por Laine Valgas
    19/11/2019 - 06h45
    Foto: Denise Lacerda
    Foto: Denise Lacerda

    Um sistema prisional deveria oferecer, sabemos, a possibilidade de “reconstrução” de uma pessoa detida por um ato infracional. Via de regra, infelizmente, não é o que se vê – mas fico feliz em saber que temos exceções, muito bacanas, e bem perto da gente.

    Falo das oficinas profissionalizantes oferecidas às reeducandas do Presídio Feminino de Florianópolis, viabilizadas pelo projeto “Mulheres, Mães, Cidadãs”, proposto pelo Conselho da Comunidade na Execução Penal da Capital (CCEPC) e financiado pelo edital de apoio a projetos para equidade de gênero do Fundo de Impacto para Justiça Social, do Instituto Comunitário Grande Florianópolis (ICOM)

    São quatro cursos, ministrados a 60 mulheres. O objetivo é facilitar a recolocação delas no mercado de trabalho quando saírem da prisão e diminuir a reincidência. Aliás, você sabia que pode colaborar esse o projeto e investir no Fundo? Basta clicar aqui.

    Pra quem não sabe, o Fundo de Impacto para Justiça Social é formado por uma rede de pessoas e empresas que doam sistematicamente para garantir os direitos humanos.   O que você diria a mulher em privação de liberdade?   Recentemente, durante a oficina de manicure, oferecida pelo projeto, as mulheres receberam cartas.

    Não eram de familiares, nem de amigos.

     Caio Berns/ICOM Floripa
    (Foto: )

    Desconhecidos assinavam as mensagens escritas no verso de cartões postais estampados por ilustrações criadas por 26 artistas voluntários que participaram da 4ª edição da Parque Gráfico – Feira de Arte Impressa, que ocorreu em agosto, na Capital catarinense.

    As mensagens foram escritas por pessoas que passaram pelo evento e foram convidadas a responder a pergunta: “O que você diria a uma mulher em privação de liberdade?”. Cerca de 150 mensagens foram escritas para serem entregues às reeducandas.

    As oito mulheres que participavam da oficina de manicure abriram os envelopes com curiosidade. Mostraram as artes e mensagens umas para as outras. Algumas choraram. Duas disseram: “parece que foi escrito pra mim”. Naquele momento, elas sentiram-se lembradas pela sociedade. A entrega dos cartões foi feita pelo ICOM.

    Leia também

    Camerata Florianópolis reedita sucesso no show de abertura do Natal Nesta segunda-feira ocorre a Noite Lírica, na Sociedade Harmonia Lyra ​​Ainda não é assinante? Assine e tenha acesso ilimitado ao NSC Total, leia as edições digitais dos jornais e aproveite os descontos do Clube NSC.​

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas