nsc
nsc

ANO NOVO

Tradição para falar o ano inteiro — e pro resto da vida!

Compartilhe

Laine
Por Laine Valgas
04/01/2020 - 05h00
Avó Laine
(Foto: Laine Valgas)

Lá em casa, em família, tão esperada quanto a virada de ano, é a primeira chuva de janeiro. Sabe por quê? Bebê-la faz “destravar” a fala. A tradição é mantida, e foi ensinada, pela minha avó Benta, que acaba de completar 91 anos e que, desde que nascemos, a cada véspera de ano novo, deixa “armados” muitos baldes, devidamente higienizados, pra colher a primeira “água de janeiro” – e, depois, nos presenteia.

“A água da primeira chuva de janeiro é excelente pra dar àquela criança que demora a falar, ou fala pouco. Serve para adultos nesta condição também. Se for água da chuva com trovoada, então, 'dobra os encantos'", sempre me disse minha avó.

Posso dizer que todos somos prova do quanto funciona...! Aliás, temos entre nós uma que até os 2 anos não dizia nem mamãe. Foi beber desta “santa água” e haja ouvidos: se transformou numa tagarela em pessoa.

E, neste ano, decidi eu mesma fazer nossa “produção” lá em casa: eu mesma recolhi nossa água.  Já tomei meu quinhão, como em todos os anos, e deixei reservado para qualquer pedido de “socorro”...

Laine Valgas

Colunista

Laine Valgas

Quem faz a diferença e dá exemplo na Grande Florianópolis ganha destaque especial da Laine Valgas.

siga Laine Valgas

Laine Valgas

Colunista

Laine Valgas

Quem faz a diferença e dá exemplo na Grande Florianópolis ganha destaque especial da Laine Valgas.

siga Laine Valgas

Mais colunistas

    Mais colunistas