O isolamento social não está sendo respeitado dentro de algumas mansões em Jurerê e Cacupé, e parece que as pessoas não estão nem preocupadas em esconder que estão descumprindo as regras.

Continua depois da publicidade

De umas três semanas para cá, algumas pessoas de outras capitais começaram a vir para Floripa e alugar casas e apartamentos para aglomerar alguns "poucos" amigos – com direito a DJs renomados e tudo mais. As gravações desses "momentos de alegria", em vídeos curtos compartilhados no Instagram, vazam e acabam revelando rostos conhecidos de moradores e visitantes frequentes da Ilha. A conta de perfil dos participantes, em alguns casos, é mencionada para aumentar a exposição dos "furões da quarentena".

Postagem mostram festas em Floripa
Postagem mostram festas em Floripa (Foto: Redes Sociais)

Sabemos que nossa Ilha é jovem e festeira, porém as consequências dessas "reuniõezinhas" acima de 15 pessoas colocam em risco toda nossa população, visto que pessoas de outros estados – com maior índice de casos de COVID19 confirmados – circulam por aqui, aproveitando os dias para fazer sua bagunça particular. Em alguns casos, serviços de gastronomia e chefes de cozinha são contratados para atender as turmas em seus locais "secretos".

Recentemente tivemos o caso da influencer fitness Gabriela Pugliesi, que perdeu milhões em contratos e uma quantidade significativa de seguidores em sua conta de Instagram após gravar uma festinha particular na sua casa.

Ou seja, não podemos nos expor ao vírus. Todos sabemos disso. Agora, todos sabemos que também não devemos nos expor nas redes sociais. Mas qual a garantia de que uma vida social paralela não continuará acontecendo às escondidas?

Continua depois da publicidade

Destaques do NSC Total