nsc
nsc

Energia elétrica

Cresce 33% inadimplência de consumidores da Celesc em SC

Compartilhe

Loetz
Por Loetz
10/08/2020 - 13h04
Alta foi puxada principalmente pelas classes de consumidores industriais e comerciais
Alta foi puxada principalmente pelas classes de consumidores industriais e comerciais (Foto: Julio Cavalheiro/Secom)

No primeiro semestre de 2020 aumentou em 33% a inadimplência dos consumidores de energia elétrica na área de concessão da Celesc. Essa alta foi puxada, especialmente, pelas classes de consumidores industriais e comerciais, com 80% e 66% de aumento, respectivamente, em comparação aos primeiros seis meses do ano passado.

 ​> Quer receber notícias de Joinville e Norte de SC por WhatsApp? Clique aqui e entre no grupo do A Notícia

Em paralelo, em julho, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) determinou às distribuidoras de todo o país o retorno da suspensão do fornecimento de energia elétrica por falta de pagamento para clientes residenciais e demais classes – inclusive os serviços de atividades considerados essenciais –, a partir de 1º de agosto de 2020. A diretriz foi uma revisão da resolução normativa nº 878/2020, aprovada no mês de março.

> Moisés sanciona lei que proíbe corte de luz, água, esgoto e gás até dezembro de 2020

De acordo com o gerente do epartamento de Recuperação de Receitas, Fernando Kaszewski,  o consumidor receberá uma nova notificação sobre a existência de pagamentos pendentes, mesmo que tenha sido comunicado anteriormente. O aviso irá na fatura informando a partir de que data poderá ocorrer o corte, previsto para 15 dias após o cliente receber o alerta.  Por isso, a previsão é de que os cortes devam ser retomados na terceira semana de agosto.

Em alguns casos, é possível optar pelo parcelamento de débitos pendentes. Essa solicitação pode ser feita por meio da agência web. Clientes residenciais, rurais e demais classes de consumidores com fornecimento em tensão inferior a 2,3 kV podem aderir ao parcelamento em até 12 vezes e o valor do débito será atualizado com multa, juros e correção monetária.

> Serasa faz campanha para quitar dívidas de até R$ 1 mil por R$ 100

Para isso, a unidade consumidora deve estar ativa ou com a energia cortada, não podendo estar desligada do sistema. O valor do débito deve ser entre R$ 450,00 e R$ 10 mil. Nos demais casos o consumidor deverá procurar al loja de atendimento ou a unidade da Celesc mais próxima.

O parcelamento alcançou também o setor industrial de Santa Catarina. Setecentas indústrias parcelaram os débitos durante a pandemia, em um montante que, até o momento, soma R$ 68 milhões.

> Celesc investe R$ 140 milhões no sistema elétrico de Joinville e região

O presidente da Celesc, Cleicio Poleto Martins, explica que, além das condições de parcelamento já oferecidas, em virtude da pandemia foram estendidas as parcelas em até 12 vezes também para consumidores com tensão de fornecimento superior a 2,3 kV.

- Entendemos que a Celesc tem uma finalidade social e pública, por isso estamos indo até o limite do que podemos oferecer aos consumidores, sem prejudicar os acionistas.

> Celesc reforça programa para melhorar fornecimento de energia em propriedades rurais

Cláudio Loetz

Colunista

Loetz

Claudio Loetz é um dos mais renomados colunistas de economia do Sul do Brasil. Com textos analíticos e informativos, é a principal fonte de informação para os interessados em negócios em Joinville e região.

siga Loetz

Cláudio Loetz

Colunista

Loetz

Claudio Loetz é um dos mais renomados colunistas de economia do Sul do Brasil. Com textos analíticos e informativos, é a principal fonte de informação para os interessados em negócios em Joinville e região.

siga Loetz

Mais colunistas

    Mais colunistas