nsc
    nsc

    Desigualdade

    Dados do IBGE mostram retomada de indústria, mas expõem pobreza em SC

    Compartilhe

    Loetz
    Por Loetz
    21/08/2020 - 11h29
    Desigualdade em Santa Catarina
    Desigualdade em Santa Catarina (Foto: Cláudio Silva, Agência RBS)

    O governo do Estado festeja o fato de manter o menor índice de desemprego no país. A nomenclatura oficial fala em percentual de desocupação, uma forma mais elegante de dizer a mesma coisa. As estatísticas apontam que por aqui havia 8,4% da população economicamente ativa desocupada, no mês de julho. A média nacional é de 13,1% da Pnad Covid-19.

    > Quer receber notícias de Joinville e Norte de SC por WhatsApp? Clique aqui e entre no grupo do A Notícia

    Em relação a junho, a desocupação em Santa Catarina teve ainda um recuo de 0,2 pontos percentuais: era de 8,6%, enquanto que a média nacional aumentou 0,7 pontos percentuais (12,4%) no período. Os vizinhos Paraná e Rio Grande do Sul registram, respectivamente,11,7% e 10% de taxa de desocupação em julho.

    Um olhar rápido para os números indicam, sim, que a da média nacional e atestam  a força da retomada econômica catarinense.

    Números de outras pesquisas, sobre desempenho de segmentos da indústria, comércio e serviços, igualmente vão na direção de recuperação das atividades econômicas. Isso inclui a indústria, agronegócio, comércio e serviços.

    > Empresa de Joinville inaugura filial nos Estados Unidos

    Outra informação pinçada pelo governo estadual como positiva , a informalidade é de 20,1%. No cenário nacional, o índice foi de 33,6%. Em relação a junho, o estado também apresentou queda de 0.5 pontos percentuais (20.6%).

    O que isso  significa? Significa que em julho havia 18 mil trabalhadores a menos na informalidade, ao se comparar com o mês anterior.

    Claro que esse conjunto de dados sugere vivermos numa ilha de prosperidade, quase imune às desgraças coletivas vivenciadas pelas populações de outas regiões do país.

    Se é assim, um outro dado indica  o outro lado, o lado menos feliz de nossa sociedade. A mesma Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD-Covid 19) também apontou que quase metade dos catarinenses ( 44,1%) receberam algum tipo de auxílio emergencial por parte do governo federal. Em junho, o percentual era de 43%. O valor médio do benefício foi de R$ 896,00. Sim, centenas de milhares de catarinenses pediram - e ganharam - dinheiro do governo porque demonstraram necessidades.

    > Retomada da indústria brasileira se aproxima de momento pré-pandemia, diz pesquisa

    Um outro número vindo do estudo do IBGE é revelador de nossa pobreza: o rendimento médio real domiciliar per capita efetivamente recebido em julho foi de R$ 1.271,00. Embora seja  2,9% acima do valor de junho (R$1.236),00, ainda assim é baixo . na prática, isso faz com que mais pessoas morem no mesmo núcleo familiar, já que ao rendimento médio individual é reduzido e dificulta a sobrevivência digna. Na região Nordeste, o valor é de R$  899,00.

    Novamente estamos bem acima, mas essa constatação só reforça a noção clara de que as desigualdades socioeconômicas são graves.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas