nsc
nsc

Economia

Tigre vai investir R$ 300 milhões em 2020

Compartilhe

Loetz
Por Loetz
16/12/2019 - 09h58 - Atualizada em: 16/12/2019 - 10h50
foto mostra vivianne sorrindo para a câmera
Vivianne Valente, vice-presidente de Finanças, foi premiada em 2019 pelas mudanças feitas na empresa

A Tigre vai investir R$ 300 milhões em 2020. O valor é o dobro do que foi aplicado em 2019. Os recursos serão utilizados no aumento da capacidade de produção e na renovação de fábricas, em modernização tecnológica, automação e eficiência fabril. Trinta por cento vai para a sustentação dos negócios atuais e 70% tem por objetivo incrementar melhorias. Parte do valor total também será direcionado a possíveis aquisições.

— Como nossa situação financeira é bem sólida, os bancos vem nos oferecendo oportunidades, mas a análise passa por possibilidades conexas aos nossos interesses e que tenham alinhamento com o nosso planejamento — diz a vice-presidente de Finanças (CFO) Vivianne Valente. A Tigre está focada nos segmentos voltados à condução de água e também planeja expandir sua atuação geográfica nos Estados Unidos, por exemplo. Os mercados dos Estados Unidos e da Colômbia têm potencial gigante de expansão, analisa Valente. E em países da América Latina a Tigre vai ampliar a oferta de produtos. No Paraguai, onde a marca é bem forte, já está vendendo até chuveiros elétricos.

Em 2019 a Tigre fatura R$ 3,7 bilhões e superou as metas traçadas para o ano: o crescimento de vendas foi de 3%, em volume, e de 8% em faturamento. Todos os negócios melhoraram diz a executiva. Os negócios internacionais representaram um terço do total. A companhia tem 3.642 funcionários no Brasil e outros 1.674 nas unidades do exterior.

O planejamento da Tigre está delineado até 2023. O modelo, construído junto com a consultoria Accenture permite que cada um saiba o que deve fazer porque a estratégia é compartilhada com os empregados. O objetivo é obter resultados com perspectivas de Ebtida crescente.

Valente estima que a indústria da construção civil vai crescer 2,% no próximo ano, percentual bem inferior aos 8% projetados para a companhia.

Outro aspecto do planejamento: a Tigre vai rever a forma de como chega aos clientes finais. Para estar mais próximo deles, vai construir centros de distribuição em Minas Gerais e na Bahia. Também vai instalar linhas de produção de caixas d´água nas fábricas de Joinville, Rio Claro (SP) e Escada (Minas Gerais).

A digitalização da força de vendas agiliza as operações. Em novos negócios, o foco está centrado em diversos elementos relacionados a tratamento de água; tornar mais barato o processo de construção de imóveis; e entregar projeto e produtos ao construtor, ao mesmo tempo em que vai intensificar a digitalização de atividades.

Uma curiosidade: os profissionais de diferentes setores administrativos da Tigre não usam mais telefone fixo em suas meses. Só o aparelho celular.

A CFO Viviane Valente ganhou, neste ano, o importante prêmio de melhor CFO das empresas brasileiras concedido pelo respeitado Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças (IBEF). A profissional liderou transformações significativas com mudanças nos processos de atendimento a clientes, com alterações nas áreas de recursos humanos, parte fiscal e de facilities. A robotização e emprego de ferramentas como analytics também auxiliaram no desempenho.

Ainda não é assinante? Assine e tenha acesso ilimitado ao NSC Total, leia as edições digitais dos jornais e aproveite os descontos do Clube NSC.

Cláudio Loetz

Colunista

Loetz

Claudio Loetz é um dos mais renomados colunistas de economia do Sul do Brasil. Com textos analíticos e informativos, é a principal fonte de informação para os interessados em negócios em Joinville e região.

siga Loetz

Cláudio Loetz

Colunista

Loetz

Claudio Loetz é um dos mais renomados colunistas de economia do Sul do Brasil. Com textos analíticos e informativos, é a principal fonte de informação para os interessados em negócios em Joinville e região.

siga Loetz

Mais colunistas

    Mais colunistas