nsc

publicidade

Polícias fazem comboios nas estradas de SC para ajuda a hospitais e presídios

Compartilhe

Por Marcelo Fleury
25/05/2018 - 14h36 - Atualizada em: 25/05/2018 - 14h57
PM/Divulgação
PM/Divulgação

Por Ânderson Silva, interino

Após o pedido do presidente Michel Temer (MDB) para que os Estados intervenham nas estradas para a liberação das cargas, em Santa Catarina as polícias trabalham inicialmente com comboios para o apoio a hospitais e presídios. A prioridade é o abastecimento de gás nas unidades. Onde houve resistência, os policiais militares, civis e rodoviários inicialmente farão uma negociação com os caminhoneiros. Caso a imposição se mantenha, o comando da PM não descarta o uso da força.

— Faremos o uso progressivo da força aonde for necessário para que os recursos humanitários cheguem ao destino final. Temos três públicos diferentes: os carros de passeio e os veículos governamentais, que não estão sendo prejudicados, os veículos com medicamentos, que a passagem depende do local, e por últimas as cargas comerciais, impedidas de circular. Nossa prioridade, neste momento, é para as cargas humanitárias, não vamos interferir no movimento comercial de carga — explicou o comandante-geral da PM em SC, coronel Araújo Gomes.

Comboios de segurança dos caminhões com gás saíram para as estradas nesta manhã com destino a hospitais e presídios de Florianópolis, Araranguá e Joinville. Na quinta-feira, por exemplo, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) fez a escolta de medicamentos para criança de Cascável (PR) para unidades hospitalares de Xanxerê e Chapecó, no Oeste catarinense.

Até as 14h desta sexta, o comando da PRF em Santa Catarina ainda não havia recebido informações sobre como atuar depois da ordem de Temer. O comando do Exército diz que a determinação do presidente engloba "forças de segurança" e não Forças Armadas. O entendimento da corporação no Estado é que as polícias catarinenses estão na controle da situação. Nas tentativas feitas para ultrapassar as barreiras com mantimentos até o momento não houve resistência.

A grande dificuldade encontrada pela PM é na ausência de líderes estaduais do movimento. Como não há uma negociação em andamento, a corporação tomou a decisão de enfrentar os bloqueios para a passagem de itens humanitários.

Falta combustível para viaturas das polícias em cidades pequenas

Com a falta de gasolina nos postos de Santa Catarina, as polícias Civil e Militar enfrentam dificuldades para o abastecimento, principalmente nas pequenas cidades do Estado. Nos grandes centros, em alguns casos, as viaturas estão sendo abastecidos nos centros de distribuição. Em municípios menores há casos de veículos das corporações parados. Equipes de cidades vizinhas estão prestando apoio na segurança.

​​Leia outras publicações de Marcelo Fleury​​

Deixe seu comentário:

Marcelo Fleury

Jornalista, Marcelo Fleury trata de assuntos do cotidiano e política, com olhar crítico sobre os fatos em Santa Catarina e no Brasil. Esta coluna deixou de ser atualizada. Conheça todos os colunistas do NSC Total em: https://www.nsctotal.com.br/

publicidade

publicidade

Mais colunistas

publicidade

publicidade