As feiras de nosso artesanato local sempre foram conhecidas pela exposição da produção cultural, arte e gastronomia da forma mais direta possível entre “produtores/consumidores”. Infelizmente, com o advento da pandemia, deixaram de acontecer em seus locais de origem, devido a impossibilidade justificada de aglomerações e como as outras atividades da área cultural, foram uma das primeiras da cadeia econômica a paralisar seus serviços, e provavelmente também será uma das últimas a retornar dentro da normalidade.

Continua depois da publicidade

Mas, a fé e a esperança em superar esses momentos tão difíceis acabaram por motivar e unir esses “profissionais amadores” (“profissionais”, pois a imensa maioria sobrevive dessa profissão e “amadores”, porque todos amam o que fazem).

>> Aula de crochê online: universitária cria projeto para ensinar artesanato durante a pandemia

Desse modo, artesãs e artesãos independentes e participantes de pelo menos sete Feiras Artesanais de Florianópolis, se uniram dentro da setorial da Cultura Popular, para pensar formas de não perderem o contato com seu público.

Sete feiras unidas num mesmo espaço
Sete feiras unidas num mesmo espaço (Foto: Divulgação/PMF)

O movimento surgiu através de vários encontros com os integrantes e representantes das feiras locais da grande Florianópolis, organizadas através das associações das feiras de artesanato de bairro, com artesãos independentes e indígenas da aldeia Guarani.

Continua depois da publicidade

Juntos criaram o Projeto Caldeirão do Artesão – que retoma o contato com seu público através de uma Loja Física, no centro de Florianópolis e de um outro projeto que detalho a seguir.

Devido a abertura gradual do comércio da cidade, os artesãos readquirem a possibilidade de expor seus produtos artesanais em uma loja física no centro da cidade, respeitando todos os cuidados e seguindo os protocolos de higienização.

Para tanto, estão programando um evento que acontecerá de 13 á 24 de julho de 2020, num espaço de 360 metros quadrados, na Rua Jerônimo Coelho 185, Centro – Florianópolis, com exposição e venda de criações de mais de 40 artesãos, divididos em sete associações, que representam algumas das mais tradicionais feiras de artesanato da cidade, além de artesãos individuais e um espaço destinado exclusivamente aos indígenas Guarani do Morro dos Cavalos.

O artesanato indígena também estará presente
O artesanato indígena também estará presente (Foto: Divulgação / PMF)

No local, produtos de mais de 40 artesãos, mas diariamente estará atendendo apenas uma equipe no atendimento, respeitando todos os protocolos sanitários estabelecidos para comércio.

Continua depois da publicidade

A loja terá uma mostra do artesanato local e o público irá encontrar inúmeros objetos para decoração em madeira, ferro e vidro, além de bordados e rendas, sabonetes, cremes, bonecas de pano, acessórios, decoração, vestuário, calçado e cestarias.

As feiras de artesanato de Florianópolis são uma expressão da nossa cultura e de nossa identidade local e em tempos de normalidade (antes da pandemia do coronavírus) sempre aconteceram nos espaços mais públicos e democráticos da comunidade: as ruas e praças onde eram expostos as mais variadas produções culturais de artistas artesãos, fruto de sua criatividade, criados e produzidos a partir de inúmeras técnicas e materiais.

É a partir das feiras urbanas que se cria o vínculo entre o artesão e seu público, sem necessidade do intermediário, e no espaço aberto, praticam livremente o movimento direto e sutil de negociação e venda e do lazer despretensioso.

Diferente da produção comercial e do trabalho em série das indústrias, o artesão carrega em si e em sua produção cultural a herança de nossa civilização, animando objetos, e guardando na nossa memória social e coletiva a herança dos antigos comércios, berço das artes visuais e das artes cênicas que encontramos na atualidade.

Continua depois da publicidade

Direto do produtor para o consumidor de arte e cultura
Direto do produtor para o consumidor de arte e cultura (Foto: Divulgação/PMF)

Além da loja física que estará funcionando no mês de julho, você também terá acesso a uma loja virtual, como parte da segunda etapa do Projeto Caldeirão do artesão.

Um espaço online, onde os artesãos disponibilizarão seus produtos, seus sites e redes sociais, para que antigos, atuais e futuros clientes possam navegar, contatar com eles e fazer suas compras via internet.

Destaques do NSC Total