nsc
    nsc

    Quarentena em texto

    Em tempos de coronavírus, um texto me faz viajar

    Compartilhe

    Mário
    Por Mário Motta
    04/04/2020 - 15h33 - Atualizada em: 05/04/2020 - 18h56
    Um diálogo durante uma quarentena é atemporal (Foto: divulgação)
    Um diálogo durante uma quarentena é atemporal (Foto: divulgação)

    Dia desses no Jornal do Almoço, fiz uma breve alusão a dois livros maravilhosos que sugiro sejam lidos enquanto houver tempo (penso que hoje, tempo é o que não nos falta, não é mesmo?) – “O amor em tempos de cólera" (do colombiano Gabriel Garcia Marques) e “Ensaio sobre a cegueira” (do português José Saramago).

    O que vou lhes contar inicialmente teria a ver com o primeiro livro citado.

    Curiosamente, como se tivéssemos conversado sobre isso, recebi do amigo Flávio Luiz Rolim (pai do repórter Cassiano Rolim que trabalhou conosco na antiga RBS TV e hoje é repórter da RPC em Foz do Iguaçu/Paraná), um texto que (segundo ele) fora escrito por Gabriel Garcia Marques. Fiquei fascinado pelo texto e pela relação com os dias atuais. imediatamente publiquei, por entender que sua leitura iria fazer muito bem para muitas pessoas.

    Imediatamente recebi um alerta do leitor Giorgio Zimann Gislon (Udesc/Mapas e Hipertextos) a quem sou grato, de que o texto não fora escrito pelo Gabo. Fui em busca do autor. Percebi que esse texto já fora replicado nas redes sociais com sua autoria atribuida ora a Gabriel Garcia Marques, ora a Carl Gustav Jung, psiquiatra e psicoterapeuta suíço que fundou a psicologia analítica. Ajudado por literatos que dicutiam o assunto, entre os quais Teso Ittapa (Facebook) a quem também agradeço, cheguei a um jovem escritor italiano chamado Alessandro Frezza.

    Com a mesma intenção que a minha (descobrir quem escreveu o texto que segue), um site italiano de nome Commenti Memorabili o entrevistou e escreve o seguinte:

    “Entramos em contato com o autor da citação – “O capitão e o moço”. O nome dele é Alessan-dro Frezza, um jovem escritor italiano que escreveu este texto há alguns dias. Ele já tem cinco livros, mas você não encontrará essa citação em um deles, pelo menos ainda não. Na verdade, é uma das 1400 crianças, usando a definição do mesmo autor, que está passeando sem a per-missão de seu pai. Espero que a fuga o torne um pouco mais famoso, com todo o respeito a Jung. Parece que o arcano foi resolvido sobre como a passagem foi atribuída incorretamente ao falecido. Compartilhada por uma página dedicada ao psiquiatra, foi disseminada sem a ci-tação do autor. Aqui, você encontra o vídeo do texto de Alessandro Frezza, com a voz de Paolo Fiorini (em italiano). Aproveite e compartilhe se quiser, citando o autor, se possível”

    Pois é exatamente isso que estou fazendo. Dividindo com vocês...

    ++++++++++++++++++++++

    "O Capitão e o moço"

    "- Capitão, o menino está preocupado e muito inquieto devido à quarentena que o porto nos impôs.

    - O que te inquieta, menino? Não tens comida suficiente? Não dormes o suficiente?

    - Não é isso, Capitão. É que não suporto não poder ir à terra e abraçar minha família.

    - E se te deixassem sair do navio e estivesses contaminado, suportarias a culpa de infectar alguém que não tem condições de aguentar a doença?

    - Não me perdoaria nunca, mas para mim inventaram essa peste.

    - Pode ser, mas e se não foi inventada?

    - Entendo o que queres dizer, mas me sinto privado da minha liberdade, Capitão, me privaram de algo.

    - E tu te privas ainda mais de algo.

    - Está de brincadeira, comigo?

    - De forma alguma. Se te privas de algo sem responder de maneira adequada, terás perdido.

    - Então quer dizer, segundo me dizes, que se me tiram algo, para vencer eu devo privar-me de mais alguma coisa por mim mesmo?

    - Exatamente. Eu fiz quarentena há 7 anos atrás.

    - E o que foi que tiveste de te privar?

    - Eu tinha que esperar mais de 20 dias dentro do barco. Havia meses em que eu ansiava por chegar ao porto e desfrutar da primavera em terra. Houve uma epidemia. No Porto Abril nos proibiram de descer. Os primeiras dias foram duros. Me sentia como vocês. Logo comecei a confrontar aquelas imposições utilizando a lógica. Sabia que depois de 21 dias deste comportamento se cria um hábito, e em vez de me lamentar e criar hábitos desastrosos, comecei a comportar-me de maneira diferente de todos os demais. Comecei com o alimento. Me impus comer a metade do quanto comia habitualmente. Depois comecei a selecionar os alimentos de mais fácil digestão, para não sobrecarregar o corpo. Passei a me nutrir de alimentos que, por tradição histórica, haviam mantido o homem com saúde.

    O passo seguinte foi unir a isso uma depuração de pensamentos pouco saudáveis e ter cada vez mais pensamentos elevados e nobres. Me impus ler ao menos uma página a cada dia de um argumento que não conhecia. Me impus fazer exercícios sobre a ponte do barco. Um velho hindu me havia dito anos antes, que o corpo se potencializava ao reter o alento. Me impus fazer profundas respirações completas a cada manhã. Creio que meus pulmões nunca haviam chegado a tamanha capacidade e força. A parte da tarde era a hora das orações, a hora de agradecer a uma entidade qualquer por não me haver dado, como destino, privações graves durante toda minha vida.

    O hindu me havia aconselhado também a criar o hábito de imaginar a luz entrando em mim e me tornando mais forte. Podia funcionar também para as pessoas queridas que estavam distantes e, assim, integrei também esta prática na minha rotina diária dentro do barco.

    Em vez de pensar em tudo que não podia fazer, pensava no que faria uma vez chegado à terra firme. Visualizava as cenas de cada dia, as vivia intensamente e gozava da espera. Tudo o que podemos obter em seguida não é interessante. Nunca. A espera serve para sublimar o desejo e torná-lo mais poderoso. Eu me privei de alimentos suculentos, de garrafas de rum e outras delícias. Me havia privado de jogar baralho, de dormir muito, de praticar o ócio, de pensar apenas no que me privaram.

    - Como acabou, Capitão?

    - Eu adquiri todos aqueles hábitos novos. Me deixaram baixar do barco muito tempo depois do previsto.

    - Privaram vocês da primavera, então?

    - Sim, naquele ano me privaram da primavera, e de muitas coisas mais, mas eu, mesmo assim, floresci, levei a primavera dentro de mim, e ninguém nunca mais pode tirá-la de mim."

    (Alessandro Frezza)

    Esse é Alessandro Frezza.
    Esse é Alessandro Frezza.
    (Foto: )

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas