nsc
    nsc

    Sair ou não sair

    Pandemia: a liberdade de "não sair"

    Compartilhe

    Mário
    Por Mário Motta
    28/04/2020 - 19h36 - Atualizada em: 30/04/2020 - 13h36
    Livre arbítrio - sair ou não sair (Foto: Miguel Leme)
    Livre arbítrio - sair ou não sair (Foto: Miguel Leme)

    Basta uma passadela de olhos nas redes sociais para ver:

    ...eu só saio de casa porque eu quero respirar!”,

    “...coloco a máscara e vou andando até a lanchonete onde trabalho, mas vou com medo”,

    “...não entendo porque tanta gente junta sem um objetivo, loucura?”,

    ...eu tenho o direito de ir onde eu quiser, não tenho?”.

    No ponto de subida da curva da covid-19, talvez seja o momento de refletir sobre o “Direito de NÃO sair”.

    ​> Em site especial, leia tudo sobre o coronavírus

    Não há transporte público. Mas eu vou. Não há dinheiro circulando. Mas eu preciso abrir a loja.

    Não há comércio aquecido e liquidações. Mas eu não aguento; eu tenho que sair. É possível não haver leitos, UTIs e respiradores suficientes se não ficarmos em casa. Mas eu saio.

    Exagerei um pouco nesta abertura para provocar reflexões fundamentais.

    Vivemos a maior tragédia coletiva do planeta dos últimos 100 anos e não conseguimos enfrentar o maior dos inimigos. Não falo do coronavírus, pois sabemos da sua competência para infectar e matar milhares de pessoas de qualquer cor, etnia, credo, sexo e por aí vamos.

    Vírus “democrático”. Fulmina de forma ampla, geral e irrestrita.

    Vamos refletir sobre outra forma de pulsão, estímulo catalisador, desejo que nos orienta (ou desorienta?) e nos move na direção das ruas: sair do isolamento, ir pras ruas...já!

    Vida X Economia

    Prefiro nem entrar na polêmica entre Vida X Economia. Discussão improdutiva, pois ambas as questões envolvidas são importantes e complementares.

    Novamente as frases nas redes:

    “...sem emprego eu não como, Mário...qualé?”,

    “….tá, o trabalho é quase tudo, mas VIVER é fundamental, né?”,

    “...acho esta briga burra. Caraca, basta a gente entender que o vírus não escolhe cara, ninguém...é ficar em casa e dane-se o resto”,

    “...fila, neste momento, é tentativa de homicídio, cara!”.

    Governos, autoridades sanitárias, pessoas comuns como nós todos, no mundo inteiro estão questionando como planejar e realizar a saída gradual do isolamento/quarentena de forma segura e capaz de garantir os empregos daqueles que ainda estão empregados; e a sobrevivência especialmente dos “sem nada, sem direitos”, os “invisíveis”, aqueles milhões de seres que vendem o que podem durante o dia para levarem o que comer à noite para a família.

    A questão é de bom senso, não de lei.

    Bom senso, ética, valores que independem de uma “lei jurídica”, pois basta a empatia, o amor ao próximo, a troca de lugar com o outro.

    É hora de contrapormos estes dois valores:

    Desejo X Necessidade

    E entre o desejo e a necessidade absoluta de sair, circular, deixar o isolamento de sua casa e partir para a exposição pessoal (e o pior, do teu semelhante) nas ruas, há um importante processo operando dentro da tua cabeça. Da nossa cabeça, pois também vivo as mesmas dificuldades, aflições e desafios.

    Não há transporte público. Mas você sai. Não há lei te proibindo de ir e vir. Mas você quer/deseja ir. As instituições e organizações da sociedade pressionam os governos e começa o processo de flexibilização chamado de gradual, por etapas.

    A cidade explode e vira um caldeirão em movimento e ebulição.

    Perfeitamente “normal” e previsível, afinal, quase 40 dias confinados fazem de qualquer pessoa um bicho enjaulado, com medo da morte imposta por um inimigo invisível, implacável, rápido e voraz. E só nos resta o: Vamos para rua.

    O fator decisivo deveria ser o da reflexão, o da razão: QUESTIONAR SE HÁ A NECESSIDADE ABSOLUTA DE QUE EU SAIA ÀS RUAS?

    E se a resposta for SIM, devemos tomar todas as precauções amplamente alertadas pelas autoridades sanitárias através da mídia, principalmente o uso de máscara, álcool gel, distanciamento de outras pessoas e evitar aglomerações.

    E ao retornar, claro, tomar todas as medidas higiênicas de limpeza das roupas, cabelos, sapatos antes de entrar em casa.

    É neste conflito que podem surgir as diferentes soluções para cada um de nós que, somadas, poderão nos levar a uma transição do pico da morte pelo vírus para a necessária e fundamental flexibilização gradual do isolamento social que nos deprime, nos enlouquece, nos coloca na massa de desempregados “invisíveis”, mas também nos garante a vida. Nos salva.

    FIQUE EM CASA E SE NECESSITAR IR ÀS RUAS...TOME AS PRECAUÇÕES E VÁ, mas lembre-se que o direito de sair/não sair também impõe o dever de respeitar a vida de todos.

    Sobreviveremos? Espero que sim.

    Então vamos em frente.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas