A Executiva Estadual do PT emitiu nota sobre a decisão do juiz eleitoral Antônio Fernando do Amaral e Silva de busca e apreensão de todo o material de propaganda dos candidatos Ana Paula Lima e Cláudio Vignatti e do próprio Diretório Regional, por afronta a decisões do TSE e da legislação.

Continua depois da publicidade

Leia na íntegra a decisão que determina apreensão de campanha ilegal de Lula

O partido e a candidate alegam que o material de campanha foi produzido antes da impugnação de Lula pela Justiça Eleitoral.

Confira a nota:

“O Partido dos Trabalhadores de Santa Catarina e a campanha Ana Paula Lima  esclarecem que o material impresso constando o ex-presidente Lula foi contratado, executado e pago no início da campanha, no dia 15 de agosto. Já a impugnação do candidato do PT ao pleito presidencial somente foi efetivada em 01 de setembro de 2018, perdurando a condição de candidato por mais de quinze dias.
Nesse período, o Partido dos Trabalhadores e a campanha Ana Paula Lima, ao produzirem material de campanha com nome de toda chapa majoritária, incluíssem especialmente aquele postulante ao cargo presidencial, foi feita porque assim a lei os permitia e até mesmo determinava.
O Partido dos Trabalhadores e a campanha Ana Paula Lima  esclarecem que a restrição a circulação do material já foi orientada, que tomará medidas jurídicas e cumprirá todas às normas da Lei Eleitoral.” 

Continua depois da publicidade

 

 

Destaques do NSC Total