nsc
nsc

PREOCUPAÇÃO 

Fórum de Criciúma contesta ação da Fecam contra edital da BR-101 Sul

Compartilhe

Moacir
Por Moacir Pereira
24/01/2020 - 17h18
BR101
BR-101. (Foto: Marco Favero / NSC Total)

O Fórum das Entidades de Criciúma - Forcri - está preocupado com a decisão da Fecam e prefeitos de acionarem a Justiça Federal para suspensão do edital de concessão do trecho sul da BR-101. Integrado pela Associação Comercial e Industrial de Criciúma, CDL, Lomas Maçônicas, Lions e Rotary Clube, o Forcri esteve reunido para tratar das principais atividades no inicio do ano. 

Externa grande preocupação com o futuro da BR-101, se o edital da ANTT for suspenso, pois a rodovia precisa de investimentos milionários e o orçamento do governo federal não permite qualquer melhoria.

A “Nota a Imprensa” tem o seguinte teor:

“O Fórum das Entidades de Criciúma – Forcri – vem por meio da presente Nota à Imprensa manifestar sua preocupação com a judicialização em face do edital publicado pelo Ministério dos Transportes, que poderá retardar investimentos da ordem de R$ 7,2 bilhões na Rodovia BR-101 – Trecho Sul – e também em obras em vias marginais que irão contribuir com o desenvolvimento do Sul catarinense.

A preocupação traz a reflexão que, com a judicialização, não haverá investimentos suficientes por parte do Governo Federal, cuja previsão para o ano de 2020 é da ordem de R$ 400 milhões para as rodovias em todo o Estado de Santa Catarina, dos quais, somente R$ 120 milhões devem ser direcionados para a infraestrutura.

A realidade é que, sem boas rodovias, o Sul não receberá investimentos para a instalação de novas empresas, pois terão dificuldades de escoamento de seus produtos em consequência do fluxo cada vez maior de veículos, ficando o trânsito congestionado.

Deve ser também pontuado que, sem investimento em manutenção, a deterioração da rodovia será intensificada e a pista de rolagem ficará cada vez mais precária, com agravamento da insegurança a todos que por ela transitarem, devido à possibilidade crescente de acidentes e de óbitos.

E, como se não bastasse tudo isso, vale ainda salientar que deixaremos de criar oportunidades de negócios, de retorno financeiro aos municípios e de empregos. Enfim, o FORCRI tem também a preocupação de que, com a judicialização, o Sul ficará aguardando o trânsito em julgado da decisão do Poder Judiciário. Estaremos, então, à mercê do tempo, com a ausência de uma rodovia que atenda às necessidades básicas de transporte.

Em decorrência da judicialização que ocasionará demora, o próximo edital será publicado em outra modalidade, uma vez que este será o último que o vencedor será aquele que oferecer a menor tarifa, não havendo limite de deságio.

Em editais anteriores, o deságio chegou em média a 30%. No novo modelo "híbrido" - misturando na disputa menor tarifa de pedágio com maior valor de outorga (valor pago para exploração do bem público) e que será usado nos leilões rodoviários previstos para este ano -, o governo pretende impor um teto de desconto de até 12%.

Caso haja empate nas propostas, o leilão vai para uma segunda etapa, na qual as empresas disputam o ativo oferecendo o maior valor de outorga. Isso ocasionará um valor maior da tarifa do que o previsto no modelo atual. Donato Moro-Presidente do FORCRI.”

Moacir Pereira

Colunista

Moacir Pereira

Principal nome do jornalismo político catarinense, é respeitado pela classe assim como nos campos empresarial e jurídico. A exclusividade de suas notícias se reflete na sua credibilidade.

siga Moacir Pereira

Últimas do colunista

Loading interface...
Moacir Pereira

Colunista

Moacir Pereira

Principal nome do jornalismo político catarinense, é respeitado pela classe assim como nos campos empresarial e jurídico. A exclusividade de suas notícias se reflete na sua credibilidade.

siga Moacir Pereira

Mais colunistas

    Mais colunistas