nsc
    nsc

    ASSEMBLEIA GERAL 

    Militares de SC fazem manifestação por reposição salarial

    Compartilhe

    Por Moacir Pereira
    30/01/2020 - 17h05 - Atualizada em: 30/01/2020 - 17h18
    Centro Administrativo
    Centro Administrativo (Foto: Felipe Carneiro/BD/Diário Catarinense)

    A Diretoria da Associação dos Praças da Policia Militar (Aprasc) contabilizou a presença de mais de 2 mil policiais na assembleia geral realizada nesta tarde na ACM e depois no protesto contra o governo Carlos Moisés da Silva no Centro Administrativo. Eles reivindicam reposição salarial de 37%, relativos as perdas dos últimos seis anos.

    A manifestação foi marcada por delegações de várias cidades do Estado, com faixas e cartazes. Dezenas de ônibus ficaram estacionados em diversos pontos da SC-401.

    Um grupo aguardou os atos no Posto da Policia Rodoviária Estadual em Santo Antônio de Lisboa. A assembleia decidiu pela realização de "operação padrão" caso o governo não ofereça nenhuma contraproposta salarial.

    A Aprasc divulgou nota sobre os dois atos

    "No maior ato da história da segurança pública em Santa Catarina, mais de 2 mil praças, policiais e bombeiros militares, se reuniram nessa quinta-feira, na Capital, para cobrar a reposição inflacionária. Promovido pela Associação dos Praças de Santa Catarina, a Aprasc, o protesto ocorreu na Associação Catarinense de Medicina, no Norte da Ilha, e reuniu militares de todo o Estado.

    Durante a assembleia, categoria votou e aprovou, por unanimidade, uma possível operação padrão caso as negociações com o governo não avancem. Nessa "operação tartaruga" os policiais fazem apenas o essencial, atuando somente se todos os requisitos de segurança estiverem em dia. "Vamos torcer para que as negociações avancem. Mas o praça perdeu a paciência", destacou o presidente da Aprasc, João Carlos Pawlick, que nessa sexta-feira se reúne novamente com o governo.

    A categoria reivindica a incorporação do Iresa, que é uma indenização para quem está na ativa, a reposição inflacionária e a equalização na alíquota da proteção social dos praças. Os militares também caminharam, até o Centro Administrativo gritando palavras de ordem, com apitos, nariz de palhaço, cornetas, faixas. Há seis anos sem reposição, a categoria anuncia 37% de perdas inflacionários e 40% no poder aquisitivo dos servidores."

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas