nsc
nsc

Empresas

Assembleia que vai decidir futuro de grande indústria têxtil do Vale é adiada

Compartilhe

Pedro
Por Pedro Machado
10/05/2021 - 13h14 - Atualizada em: 11/05/2021 - 06h28
Cativa Têxtil
Empresa de Pomerode pediu recuperação judicial no ano passado (Foto: Rafaela Martins, BD)

A juíza Iraci Satomi Kuraoka Schiocchet, da 1ª Vara da Comarca de Pomerode, adiou a assembleia geral de credores que avaliaria o plano de recuperação judicial da têxtil Cativa, inicialmente marcada para o dia 19 deste mês. A decisão atendeu a um pedido da própria empresa, que pediu mais tempo para aderir a um programa nacional de parcelamento de dívidas federais.

> Receba notícias de Blumenau e do Vale pelo WhatsApp

— O Grupo Cativa está se organizando tributariamente para poder participar desses programas de parcelamento — diz o administrador judicial da companhia, Pedro Cascaes Neto.

Uma nova data ainda será marcada. Segundo Cascaes Neto, a assembleia deve ocorrer em até 90 dias. 

O encontro é crucial para o futuro da Cativa, que recorreu à recuperação judicial no ano passado para renegociar dívidas acumuladas em R$ 120 milhões. Os credores irão avaliar se aceitam ou não as condições propostas pela empresa para quitar os débitos.

Receba notícias e análises do colunista Pedro Machado sobre economia, negócios e o cotidiano de Blumenau e região pelo WhatsApp ou Telegram

Pedro Machado

Colunista

Pedro Machado

Um olhar especializado na economia e nos negócios dos setores pulsantes de Blumenau e região.

siga Pedro Machado

Pedro Machado

Colunista

Pedro Machado

Um olhar especializado na economia e nos negócios dos setores pulsantes de Blumenau e região.

siga Pedro Machado

Mais colunistas

    Mais colunistas