nsc
    nsc

    Náutica

    Cinco anos para autorizar trapiche em Florianópolis

    Compartilhe

    Renato
    Por Renato Igor
    05/02/2020 - 21h04 - Atualizada em: 05/02/2020 - 22h06
    Ilustração mostra como será o trapiche no Cacupé (Ilustração/divulgação)
    Ilustração mostra como será o trapiche no Cacupé (Ilustração/divulgação)

    Cinco anos. Esse é o tempo que um empreendimento teve de esperar até obter a liberação para construir um trapiche. Trata-se do empresário Marlon Koerich, do Viva Cacupé, no bairro de Cacupé, baía norte da Ilha de Santa Catarina.

    O trapiche estará 100% legalizado e homologado. Para construir, o empresário enfrentou cinco anos de esforço pelas licenças e autorizações, que envolveu até a assinatura do presidente do Serviço de Patrimônio da União (SPU), em Brasília, além de atos da Floram, Capitania dos Portos e IPUF.

    A obra deve estar concluída em 40 dias. O equipamento terá 33 metros de comprimento e calado capaz de receber embarcações de médio porte. É uma obra privada, mas de uso público, ou seja, o trapiche pode contribuir com o uso do mar e para melhorar a mobilidade urbana.

    O presidente da Associação Náutica para o Brasil (Acatmar), Mané Ferrari, ressalta a importância deste tipo de equipamento:

    — Carecemos muito de infraestruturas de apoio náutico na ilha, que nestes casos, muitas das vezes, servem como base de apoio inclusive para segurança e também no aumento da demanda turística da região — concluiu.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas