nsc
nsc

Saúde

'Quantos médicos vão morrer enquanto debate é sobre esquerda ou direita?', questiona Simesc sobre CPI

Compartilhe

Renato
Por Renato Igor
03/06/2021 - 07h00
Médica oncologista e imunologista Nise Hitomi Yamaguchi com o senador Omar Aziz (PSD-AM), presidente da CPI da Pandemia
Médica oncologista e imunologista Nise Hitomi Yamaguchi com o senador Omar Aziz (PSD-AM), presidente da CPI da Pandemia (Foto: Leopoldo Silva/Agência Senado)

O Sindicato dos Médicos de Santa Catarina (Simesc) divulgou uma nota em que critica a atuação dos parlamentares na CPI da Pandemia no Senado. Os parlamentares ouviram nesta terça-feira (1) a médica oncologista e imunologista Nise Hitomi Yamaguchi e na quarta-feira (2) a infectologista Luana Araújo. No texto, o Simesc cobra respeito aos médicos e critica a politização do debate.

Confira a nota do Simesc:

Observamos nos colegas disposição em contribuir com a comissão no Senado de acordo com sua visão profissional, construída em anos de estudo e dedicação à Medicina. O que não observamos é respeito aos depoentes médicos por parte de alguns senadores, que se tomam de posicionamento político para atacar ou defender quem está sendo questionado.

O desrespeito ou a ordenação de como devem atuar os médicos não é aceito em espaços alheios à nossa regulamentação profissional. Como aceitar que uma comissão que deveria debater os fatos e não o posicionamento político aconselhe como o médico pode atuar ou macule a imagem dos colegas?

A Ciência Médica deve ser a base no tratamento aos nossos pacientes. Enfrentamos uma pandemia e o que precisamos é incansavelmente, continuar nossa dedicação em busca da cura e do tratamento adequado, de qualidade e com insumos e equipamentos aos nossos pacientes, que como sabemos, estão amedrontados frente ao desconhecido.

Os médicos estão cansados, esgotados e não precisam de mais um desgaste que busca tão e somente, incentivar um debate político que em nada apazigua ou arrefece a condição da pandemia em nosso País.

Quantos mortos ainda teremos até que o debate sobre a pandemia do Coronavírus atinja o foco principal, que é banir a doença do nosso convívio? Quantos colegas médicos perderão a vida, serão afastados de suas atividades por estafa, viverão longe de suas famílias enquanto o debate gira somente em torno da política de esquerda e de direita?

Nós, cidadãos brasileiros, somos melhores do que brigas políticas. Unidos e com respeito, teremos condições de superar esse momento desafiador e desgastante.

Respeito aos médicos. É o mínimo que se espera para quem até outro dia, recebia desses políticos que hoje julgam nossa competência profissional, o título de HERÓI.

A Medicina é uma profissão exemplar e aqueles que a abraçam são merecedores de aplausos e boas graças!

A Diretoria

Leia Mais:

Pagamento do auxílio emergencial de Santa Catarina começa em julho

Corte no orçamento é ameaça ao status catarinense livre de aftosa sem vacinação

Mapa Covid de SC hoje: veja em mapa e dados por cidade como está a situação da pandemia

Bob Dylan, 80 anos: confira vinte fatos e curiosidades sobre o músico

Tornado deixa mais de 68,5 mil unidades sem energia elétrica no Meio-Oeste de SC

Fungo negro: suspeita de doença rara e grave em paciente pós-Covid é investigada em Joinville

Filho de Whindersson Nunes e catarinense Maria Lina nasce prematuro

Renato Igor

Colunista

Renato Igor

Apresentador e comentarista na CBN Diário e NSC TV, Renato Igor faz análises e traz as notícias sobre o que acontece em Santa Catarina e o que influencia os rumos do Estado.

siga Renato Igor

Renato Igor

Colunista

Renato Igor

Apresentador e comentarista na CBN Diário e NSC TV, Renato Igor faz análises e traz as notícias sobre o que acontece em Santa Catarina e o que influencia os rumos do Estado.

siga Renato Igor

Mais colunistas

    Mais colunistas