nsc
nsc

MARADONA

Mundo perde um gênio do futebol latino-americano

Compartilhe

Roberto
Por Roberto Alves
25/11/2020 - 13h59 - Atualizada em: 25/11/2020 - 15h43
Maradona, ídolo do futebol argentino e mundial, morreu após uma parada respiratória
Maradona, ídolo do futebol argentino e mundial, morreu após uma parada respiratória (Foto: Giuseppe Cacace / AFP)

O dia 25 de novembro ficará marcado na história do futebol mundial. É o dia da morte de Diego Armando Maradona, que fez a felicidade dos amantes do futebol. Na Argentina, clube ou seleção, onde quer que estivesse, como no Napoli da Itália, Dieguito fazia o povo sorrir com sua genialidade.

> Diego Maradona morre na Argentina aos 60 anos após parada cardiorrespiratória

Foi protagonista em Copas do Mundo levando seu país ao título, em 1986. Fez história no Napoli jogando ao lado dos brasileiros Careca e Alemão. Foi comparado a Pelé por um segmento da imprensa argentina, achando até que ele jogava mais que o brasileiro, em um momento de paixão desenfreada. 

Vieram os problemas com o uso de drogas e, para ser mais claro, a cocaína que o destruiu.

> Maradona, ídolo do futebol argentino e mundial, morreu após uma parada respiratória

Vi Maradona jogar algumas vezes e estive muito próximo dele na Copa da Alemanha, quando, ao entrar num restaurante em Munique, me deparei com ele em companhia do goleiro paraguaio Chilaver, com quem cheguei a falar sobre um jogo que ele atuou no Estádio Orlando Scarpelli. 

Com Maradona era impossível conversar, pois empresários e dirigentes do futebol o cercavam, tornando seu momento de descanso ou lazer totalmente tumultuado. Mas ele gostava. Relembrar seu tempo em campo era o que mais gostava. Tinha muito o que contar.

> "Um dia vamos bater bola no céu", diz Pelé sobre morte de Maradona

Incentivar uma pseuda inimizade entre ele e Pelé era o que mais a imprensa argentina gostava. Ele até fazia de conta que existia com algumas declarações, embora no fundo tinha uma grande admiração por Pelé, que foi a estrela do seu programa de estreia na televisão argentina.

Mesmo com a rivalidade do futebol brasileiro com os argentinos, é impossível negar Maradona. 

O mundo perdeu o Dieguito que, desde que entrou para o mundo das drogas, jamais conseguiu sair. Uma parada cardio vascular o levou depois de uma cirurgia na cabeça.

Maradona leva consigo um pedaço do futebol qualidade, arte, genialidade.

Feliz de quem viu Maradona jogar. 

Feliz de quem viveu a era Pelé, Gerson, Rivelino, Romário e Maradona. Eles fizeram a nossa felicidade a nossa alegria.

> César Seabra: Diego, um verdadeiro e apaixonado argentino

Roberto Alves

Colunista

Roberto Alves

Referência por resgatar a memória do Esporte catarinense, fatos do dia a dia e pitorescos, misturando bom humor e seriedade na dose certa.

siga Roberto Alves

Roberto Alves

Colunista

Roberto Alves

Referência por resgatar a memória do Esporte catarinense, fatos do dia a dia e pitorescos, misturando bom humor e seriedade na dose certa.

siga Roberto Alves

Mais colunistas

    Mais colunistas