Florianópolis
Upiara

Política

A cara do novo governo

Compartilhe
Por Upiara Boschi
13/02/2018 - 08h37
Pinho
Antes mesmo de assumir a caneta, Pinho Moreira realizou suas mudanças n
(Foto: )

Durante boa parte de 2017, especulou-se a data de renúncia do governador Raimundo Colombo (PSD). Era pressionado pelo vice Eduardo Pinho Moreira (PMDB) a deixar o cargo no final do ano e sofria pressão oposta do deputado estadual Gelson Merisio (PSD) para entregar a caneta aos peemedebistas apenas em abril, no último dia e última hora da data legal para deixar o cargo e poder ser candidato. Ceder a uma ou outra pressão seria indicativo de alinhamento a um ou outro projeto.

Ao seu estilo, Colombo escolheu um meio-termo. Uma saída aos poucos, que começa nesta sexta-feira, quando ele pede uma licença de um mês e deixa Pinho Moreira com carta branca para já conduzir uma gestão com sua cara. A renúncia, efetivamente, será só em abril, mas o pessedista não esconde que mesmo depois do final da licença deve se recolher aos bastidores e deixar o vice governar.

Antes mesmo de assumir a caneta, Pinho Moreira peemedebistou o governo. Forçou nos bastidores a antecipação da saída do deputado estadual Vicente Caropreso (PSDB) da Secretaria de Saúde e indicou o aliado Acélio Casagrande (PMDB) para o posto. Não esperou Nelson Serpa (PSD) deixar a Casa Civil para anunciar que promoveria Luciano Veloso Lima, também peemedebista. O mesmo acontece na Fazenda, com Paulo Eli. Na Segurança, o estilo acadêmico de Alceu Pinto também não está totalmente fora desse contexto - o nome veio através do prefeito Gean Loureiro (PMDB), que o indicou procurador-geral na Câmara de Vereadores de Florianópolis quando presidente.

Com a caneta nas mãos, Pinho Moreira ainda precisa dar alguns toques para completar a equipe. Já fez um apelo público para que os secretários que são deputados estaduais deixem os cargos para que ele possa ter um secretariado coeso desde o início do curto mandato. Alguns não ouviram, outros pedem para ficar até inaugurações de obras. O caso mais sensível é a presença de Valmir Comin, do adversário histórico PP, na Secretaria de Assistência Social. Pepista e afinado ao projeto de Merisio, deve sair.

As escolhas de nomes de bastidor ou de fora da política indica algo quase óbvio: Pinho Moreira vai responder por todas as áreas, sem compartilhar holofotes. Até junho precisa mostrar a cara para viabilizar-se candidato. Outro fator a ser considerado agora é a postura do PSD. Ano passado, Merisio defendia que o partido deixasse os cargos quando Pinho Moreira assumisse. Essa posição até pode ser estendida a abril, na posse de direito. Ficar pode soar como indicativo de perda do controle do partido. Ou uma solução ao estilo de Colombo.

Leia todas as publicações de Upiara Boschi

Deixe seu comentário:

publicidade
Florianópolis
© 2017 NSC Comunicação
Florianópolis
© 2017 NSC Comunicação