nsc
nsc

Análise

Apoio de Bolsonaro faz de Lira favorito para presidência da Câmara dos Deputados

Compartilhe

Upiara
Por Upiara Boschi
01/02/2021 - 05h00
Apoio de Bolsonaro é diferencial de Arthur Lira na disputa pelo comando da Câmara dos Deputados
Apoio de Bolsonaro é diferencial de Arthur Lira na disputa pelo comando da Câmara dos Deputados (Foto: Michel Jesus, Câmara dos Deputados/Divulgação)

O alagoano Arthur Lira (PP) é franco favorito para vencer a disputa pela presidência da Câmara dos Deputados nesta segunda-feira. A constatação não é apenas porque a candidatura do principal adversário, Baleia Rossi (MDB-SP), dá indícios claros de esvaziamento às vésperas da votação, mas por uma avaliação histórica: quando o governo federal se engaja na disputa parlamentar, dificilmente perde.

Como será e quem são os candidatos à presidência da Câmara de Deputados em 2021

Nos últimos 26 anos, englobe aí os governos Fernando Henrique Cardoso (PSDB), Lula (PT), Dilma Rousseff (PT), Michel Temer (MDB) e Jair Bolsonaro (sem partido), apenas duas vezes o candidato a presidente da Câmara apoiado pelo governo foi derrotado na disputa. O posto é estratégico para o ocupante do Palácio do Planalto pela capacidade de pautar a agenda de votações e pelo poder de dar seguimento ou não a pedidos de impeachment. As duas vitórias de candidatos não apoiados pelo presidente de plantão foram as de Severino Cavalcanti (PP-PE) em 2005 e de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) em 2015.

Maia muda discurso e diz que 'houve e há chance de ruptura'

Severino renunciou poucos meses após assumir em meio à denúncia de cobrar propina do restaurante instalado na Câmara - foi substituído, em nova eleição, por Aldo Rebelo (à época no PCdoB), apoiado pelo governo Lula. Eduardo Cunha venceu o candidato de Dilma Rousseff, Arlindo Chinaglia (PT-SP), e deflagrou o processo de impeachment que daria fim precoce ao mandato da petista em 2016.

Em 2019, o presidente Jair Bolsonaro não se engajou na disputa que resultou na recondução do deputado federal Rodrigo Maia (DEM-RJ) para mais dois anos de mandato no comando da Câmara dos Deputados. O demista foi eleito sem dificuldades e viveu dois anos de uma relação conturbada com o presidente, que o acusa de atrapalhar a agenda do governo. O afastamento ficou mais explícito durante a pandemia do coronavírus e está exacerbado na sucessão pelo comando da Câmara dos Deputados. Bolsonaro apoia explicitamente a candidatura de Arthur Lira, um nome fortemente ligado ao chamado Centrão, enquanto Maia articula a candidatura de Baleia Rossi, presidente nacional do MDB.

Na noite de domingo, Maia e Baleia sofreram um duro golpe com a decisão da bancada do DEM de deixar o bloco de apoio à candidatura. Um sinal forte do favoritismo de Lira, que encontra eco na história. Quando o governo federal se envolve na disputa - e é generoso com os parlamentares que aderem ao candidato abençoado pelo Planalto - dificilmente perde.

Na bancada catarinense, a cautela tem predominado. Boa parte dos 16 deputados federais têm evitado expor sua predileção para a disputa desta segunda-feira. Nas projeções dos apoiadores de Lira e Baleia, nomes se repetem. A linha de frente da candidatura de Baleia Rossi tem os emedebistas Carlos Chiodini e Celso Maldaner. Por Lira, estão os pesselistas Coronel Armando, Caroline de Toni e Daniel Freitas. A tendência é de que o deputado do Progressistas tenha vantagem entre os catarinenses.

Receba os textos, lives, podcasts e comentários na tevê de Upiara Boschi no WhatsApp clicando no link https://bit.ly/3hJOi9y

Para receber no Telegram, é só clicar em https://t.me/upiaransc

Upiara Boschi

Colunista

Upiara Boschi

Faz a leitura e a análise do contexto do cenário político de Santa Catarina, com informações de bastidores. Explica motivações e consequências das principais decisões tomadas nos poderes do Estado.

siga Upiara Boschi

Upiara Boschi

Colunista

Upiara Boschi

Faz a leitura e a análise do contexto do cenário político de Santa Catarina, com informações de bastidores. Explica motivações e consequências das principais decisões tomadas nos poderes do Estado.

siga Upiara Boschi

Mais colunistas

    Mais colunistas