nsc
    nsc

    Conversa

    Bolsonaro receberá bancada de SC para café da manhã

    Compartilhe

    Upiara
    Por Upiara Boschi
    08/08/2019 - 16h53 - Atualizada em: 08/08/2019 - 18h04
    Encontro com Bolsonaro terá presença do ministro Onyx Lorenzoni e foi articulado pelo deputado federal Rogério Peninha. (Foto: Rafael Pezenti, Divulgação)

    Na próxima quinta-feira, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) vai receber a bancada federal catarinense para um café da manhã com a presença de cinco dos principais ministros da esplanada. O encontro terá como tema principal as obras nas rodovias federais e vem sendo articulado pelo coordenador do Fórum Parlamentar Catarinense, Rogério Peninha (MDB), desde abril.

    Nesse período, o emedebista avaliou que era melhor fazer a conversa com Bolsonaro após a aprovação da reforma da previdência na Câmara dos Deputados, para evitar que a pressão por obras no Estado soasse como barganha. A bancada catarinense chegará ao café da manhã depois de entregar 15 de seus 16 votos a favor da proposta - o único que votou contra foi Pedro Uczai (PT). Todos os deputados federais e senadores catarinense serão convidados, inclusive o petista.

    O encontro terá a presença dos ministros Tarcísio de Freitas (Infraestrutura), Onyx Lorenzoni (DEM, da Casa Civil), general Augusto Heleno (Gabinete da Segurança Institucional), general Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de Governo) e Jorge de Oliveira (secretaria-geral da Presidência). Na terça-feira, o fórum parlamentar se reúne para elencar as prioridades que serão levadas ao presidente e seus ministros. É inegável que a proximidade de Peninha com o Bolsonaro - um de seus primeiros apoiadores e cicerone das visitas que o hoje presidente fez a Santa Catarina quando o resultado parecia mais do que improvável.

    Na lista, serão priorizadas as obras nas BRs 470, 282, 163 e 280 - fundamentais à infraestrutura do Estado e velhas (e reiteradamente prometidas) reivindicações. Os parlamentares não levam apenas o apoio de 93,7% da bancada à nova previdência da Câmara e a promessa dos senadores Dário Berger (MDB), Esperidião Amin (PP) e Jorginho Mello (PR) de votar a favor das novas regras no Senado. Pesa na balança o próprio voto dos catarinenses em outubro do ano passado.

    Santa Catarina foi o primeiro Estado a se engajar na causa Bolsonaro e foi uma dos que lhe deu maior apoio nas eleições - 75% dos votos no segundo turno contra Fernando Haddad (PT). É natural a expectativa de que haja um olhar especial para o Estado na questão das obras federais - até porque as gestões petistas de Lula e Dilma Rousseff foram muito cobradas por promessas e prazos não cumpridos nas obras de duplicação das BRs 470 e 280. Não à toa, Blumenau e Joinville tornaram-se epicentro do antipetismo que virou bolsonarismo.

    Leia também: Estilos de Bolsonaro e Moisés

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas