nsc
    nsc

    Crítica

    Júlio Garcia: “Governo Moisés não deu certo, mas nunca é tarde para recomeçar”

    Compartilhe

    Upiara
    Por Upiara Boschi
    02/06/2020 - 17h03 - Atualizada em: 02/06/2020 - 17h35
    Júlio Garcia fez avaliação crítica do governo Moisés
    Júlio Garcia fez avaliação crítica do governo Moisés

    O governo Carlos Moisés (PSL) não deu certo até agora, mas ainda tem tempo para recomeçar. A avaliação é do presidente da Assembleia Legislativa, Júlio Garcia (PSD), em entrevista a Renato Igor e Upiara Boschi na CBN/Diário na tarde desta terça-feira. O pessedista também afirmou que não vê clima para impeachment do governador, embora ressalte tratará de forma jurídica os cinco pedidos em análise na Procuradoria da Alesc.

    Ouça a íntegra da entrevista de Júlio Garcia na CBN/Diário

    Júlio Garcia ressaltou os movimentos de aproximação do governador Moisés com o parlamento após a crise política gerada pela polêmica compra de 200 respiradores por R$ 33 milhões, que resultou na demissão dos secretários Helton Zeferino (Saúde) e Douglas Borba (Casa Civil) e disse esperar que haja correção de rota do governo tanto no diálogo com o parlamento quanto na qualificação da equipe. O diagnóstico sobre o governo até agora, no entanto, foi duro.

    - O governo não deu certo. Isso é evidente. Primeiro ano de governo foi um momento de adaptação, o governo teve uma carência da sociedade e também do parlamento. Mas os resultados não foram positivos, todo aquele ufanismo da campanha de que acabou a velha política, tudo isso acabou na prática não se mostrando uma coisa positiva.

    O presidente da Alesc ressaltou que Moisés pode reconstruir a relação com o parlamento “de forma republicana” e com respeito - lembrou duas vezes o episódio em que o deputado estadual Valdir Cobalchini (MDB), na época governista, foi expulso da sala do ex-secretário Carlos Hassler, da Infraestrutura. Criticou também a equipe montada pelo governador.

    - Não houve resultados significativos do governo no primeiro ano. Todas as medidas se mostrarem insuficientes. A equipe se mostrou sem experiência para governar Santa Catarina. As mudanças tem que acontecer e acho que o governador vai fazer - afirmou.

    Júlio Garcia avaliou não ver disposição dos deputados em ocupar ou indicar cargos para a administração estadual, mas ironizou a situação ao dizer que “não foi a presença de políticos que atrapalhou o governo”.

    Sobre os pedidos de impeachment em análise na Procuradoria da Alesc, Garcia disse que a abertura ou não dos processos será feita com base apenas no parecer jurídico, mas avaliou que pessoalmente não acredita que seja momento cogitar afastamento do governador.

    - No que competir à presidência, vou dar o tratamento jurídico. Vou acatar o que a procuradoria da Assembleia apresentar em seu parecer. Mas, minha posição pessoal, quero dizer aqui, acho que quando o constituinte de 1988 esculpiu na Constituição o instrumento do impeachment não foi para ser usado a qualquer instante, a qualquer momento.

    Participe do meu canal do Telegram e receba tudo o que publico no NSC Total e outras mídias. É só procurar por Upiara Boschi - NSC Total ou acessar o link: https://t.me/upiaransc

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas