publicidade

Navegue por
Upiara

Possibilidade

Júlio Garcia presidente em 2019 ganha força na Alesc

Compartilhe

Por Upiara Boschi
06/12/2018 - 06h00 - Atualizada em: 06/12/2018 - 06h00
Júlio Garcia
(Foto: )

Como de praxe, a Assembleia Legislativa entre naquele clima de fim de ano em que se acumulam reuniões extraordinárias e o plenário fica cheio para limpar a pauta de projetos do ano. O que muda neste fim de 2018 é o encerramento de uma legislatura em que mais da metade dos parlamentares não volta para o novo mandato em 2018. É nesse contexto que avançam, também, as costuras para a eleição da presidência da Casa.

STF forma maioria para rejeitar recurso do deputado João Rodrigues

Já disse aqui neste espaço que por essa disputa passa não só a construção da base que dará suporte ao governador eleito Carlos Moisés da Silva (PSL), mas também a designação informal do cargo de fiador político da nova gestão. Nesse meio tempo, o deputado estadual eleito Júlio Garcia (PSD) - duas vezes ex-presidente da Casa - avançou suas conversas com bancadas, o deputado estadual reeleito Mauro de Nadal (MDB) conseguiu vencer a queda de braço com Valdir Cobalchini (MDB) pelos votos emedebistas e Milton Hobus (PSD) continua articulando uma alternativa.

Neste cenário, avança no Legislativo a ideia de que Garcia assuma a presidência nos primeiros anos de mandato. O experiente parlamentar até agora costura uma parceria com os emedebistas, sem visar a chegada ao comando da Alesc já em 2019, mas de olho na construção de um bloco político. Nessa lógica, que avançaria para as eleições de 2020 e 2022, Garcia teria um MDB como parceiro e Nadal seria eleito presidente da Alesc em fevereiro. O pessedista - se ainda for pessedista - se credenciaria para presidir o parlamento na segunda metade da legislatura, quando serão feitas as costuras da eleição estadual.

Câmara aprova projeto que afrouxa Lei de Responsabilidade Fiscal para municípios

No entanto, o plano original de Garcia esbarra na resistência de algumas bancadas em entregar a presidência da Alesc ao MDB diante da impressão geral de que o partido está costeando o alambrado do governo pesselista. A lógica apontada por deputados de diversos partidos é de que o parlamento precisa de um presidente menos atrelado a esse movimento de adesão. Há, nesse contexto, parlamentares tentando convencer Garcia a ser candidato agora - algo que ganhou corpo nos últimos dias.

Também nessa lógica,  a candidatura de Hobus pode ganhar fôlego, com o ainda deputado Gelson Merisio (PSD) - derrotado por Moisés na disputa pelo governo estadual - atento nos bastidores. Na próxima semana a bancada pessedista se reúne e essas divergência devem ficar explicitadas. Kennedy Nunes, por exemplo, diz que não quer acordo com o MDB e nem com o novo governo. Aliás, é bom prestar atenção ao deputado federal de Joinville.

Geddel, Lúcio Vieira Lima e mãe são denunciados por peculato

Ele deve voltar a vestir a camiseta de oposicionista ferrenho que o marcou nos tempos em que Luiz Henrique da Silveira (PMDB) governava Santa Catarina. Na quarta-feira, ele conseguiu fazer avançar um projeto para obrigar oficiais da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros da reserva que sejam escolhidos secretários de Estado a escolherem o salário da aposentadoria ou o de secretário. Hoje, seria possível acumular. Uma provocação com endereço certo diante de um secretariado em que a farda terá grande peso.

 

Leia também:

Bolsonaro diz que dar ministério para Magno Malta não é 'adequado' no momento

 

Deixe seu comentário:

Upiara Boschi

Upiara Boschi

Upiara Boschi

Faz a leitura e a análise do contexto do cenário político de Santa Catarina, com informações de bastidores. Explica motivações e consequências das principais decisões tomadas nos poderes do Estado.

publicidade

publicidade

Mais colunistas

publicidade

publicidade

Navegue por
© 2018 NSC Comunicação
Navegue por
© 2018 NSC Comunicação