nsc

publicidade

Upiara

Racha

Laércio Schuster também entra na briga contra novo PSB-SC

Compartilhe

Por Upiara Boschi
20/09/2019 - 15h06

Nos tribunais, foi adiada a batalha entre o novo PSB catarinense e o deputado estadual Bruno Souza pela cadeira na Assembleia Legislativa. O julgamento da ação por infidelidade partidária chegou a ser pautado para ontem, mas acabou postergado para outubro. No discursos, uma nova frente deve ser aberta na guerra entre os eleitos pelo partido e seu comando atual.

Até agora discreto, o deputado estadual Laércio Schuster decidiu expor sua insatisfação com as direções nacional e estadual do PSB. Na terça-feira ele deve subir à tribuna da Assembleia Legislativa para questionar a condução do presidente estadual Adir Gentil, indicado para comandar a executiva estadual pelo presidente nacional Carlos Siqueira.

A intervenção foi feita após a saída dos dirigentes ligados ao ex-deputado federal Paulo Bornhausen - que recebera o comando político da sigla das mãos de Eduardo Campos em 2013 e o deixou este ano por divergências ideológicas com Siqueira, que tenta devolver a sigla socialista ao campo da esquerda. Paralelamente, foram apresentadas as ações judiciais contra Bruno Souza e Nazareno Martins por infidelidade partidária - ainda pendentes de julgamento. Ao contrário de Bruno, que desfiliou-se ainda em fevereiro, Nazareno não teve a saída consumada. Nesse cenário, Schuster optou pela discrição. Procurou Gentil e Siqueira, mas as conversas não avançaram. Acabou fora da executiva estadual.

Essa é uma das críticas que serão feitas pelo parlamentar, que também vê alinhamento do PSB nacional com a agenda do PT. Vai se construindo assim uma nova ação de troca de partido.

Quando o rompimento ficar claro, todos os eleitos do PSB em 2018 estarão em litígio com o partido. Suspenso e com as atividades parlamentares limitadas por ter votado a favor da reforma previdenciária, o deputado federal Rodrigo Coelho já está com ação judicial pronta contra o atual partido. Ele esperava a expulsão, como próprio Siqueira havia prometido como punição aos parlamentares que votaram contra a orientação partidária. A pena mais branda foi, ironicamente, muito pior para o parlamentar.

Desde a intervenção nacional, em julho, o novo PSB catarinense não conseguiu definir um novo rumo ou ser atrativo para lideranças descontentes em outras siglas - apesar de ter peso nacional e apetitosos fundo eleitoral e partidário. Enquanto isso, Bornhausen discretamente constrói o Podemos - onde devem desaguar os pessebistas eleitos em 2018.

Deixe seu comentário:

Upiara Boschi

Upiara Boschi

Upiara Boschi

Faz a leitura e a análise do contexto do cenário político de Santa Catarina, com informações de bastidores. Explica motivações e consequências das principais decisões tomadas nos poderes do Estado.

upiara.boschi@somosnsc.com.br

publicidade

publicidade

Mais colunistas

publicidade

publicidade