nsc

publicidade

Upiara

Análise política

Moisés e as reações no PSL-SC

Compartilhe

Por Upiara Boschi
16/08/2019 - 17h29 - Atualizada em: 16/08/2019 - 17h34
Postura do governador em relação aos agrotóxicos e entrevista à Folha de S. Paulo causam reação nos núcleos mais bolsonaristas do partido em Santa Catarina (Foto: Diorgenes Pandini / Diário Catarinense)

— Eu sou comandante Moisés, o governador do Bolsonaro em Santa Catarina.

O leitor deve reconhecer a frase, um já histórico exemplo de como sete segundos de horário eleitoral podem ser plenamente efetivos. Carlos Moisés da Silva apresentava-se, deixava insinuada sua origem militar e enfatizava ser o candidato a governador do partido de Jair Bolsonaro (PSL) – seu até então único ativo eleitoral.

Eleito com fabulosos 75% dos votos, o comandante Moisés virou governador Carlos Moisés e os catarinenses passaram a conhecê-lo governando. Nas últimas semanas, o pesselista comprou uma briga com agronegócio sobre a taxação dos defensivos agrícolas – que tem chamado de venenos. Moisés quer acabar com o incentivo fiscal que zera as alíquotas de ICMS dos agrotóxicos.

A medida está na contramão do próprio governo do presidente Jair Bolsonaro, que tem afrouxado as regras para liberação dos defensivos – sob críticas dos ambientalistas e partidos de esquerda. Os mesmos que, com maior ou menor timidez, tem saído em defesa do governador catarinense.

A imprensa nacional não perdeu tempo em marcar a diferença entre o presidente e governador – e a entrevista de Moisés à Folha de S. Paulo, veículo que Bolsonaro hostiliza dia sim, dia sim, foi o ponto alto desse contraponto. Essa postura está gerando reações nos núcleos bolsonaristas catarinenses – aquela turma que se engajou para que o 17 vencesse a eleição de cabo a rabo no Estado ano passado.

Aos poucos, a reação também ecoa entre eleitos do PSL-SC. Semana passada, a deputada estadual Ana Campagnolo fez a defesa dos agrotóxicos e disse que entre Bolsonaro e Moisés, não tem dúvidas sobre com quem ficar. Foi seguida pelo colega Jessé Lopes, ambos são o que se pode chamar de ala ideológica da bancada pesselista na Alesc. No Centro Administrativo já há quem não contabilize ambos na base de apoio ao governo.

Em Brasília, a deputada federal Caroline de Toni, que tem base no Oeste do Estado, foi à tribuna criticar o aumento de impostos. Disse que “essa tributação verde é uma coisa completamente de esquerda, sem fundamento científico, que tende a acabar com o agronegócio”. Em Florianópolis, a vice-governadora Daniela Reineher saiu de seu silêncio decorativo para defender, em nota, que com a taxação dos agrotóxicos “a competitividade da produção catarinense ficaria comprometida e perderíamos mercados arduamente conquistados”. Não chega a ser um verba volant, scripta manent – mas é um movimento a ser observado.

Leia também: Governador Moisés tem base, mas nem sempre

Deixe seu comentário:

Upiara Boschi

Upiara Boschi

Upiara Boschi

Faz a leitura e a análise do contexto do cenário político de Santa Catarina, com informações de bastidores. Explica motivações e consequências das principais decisões tomadas nos poderes do Estado.

upiara.boschi@somosnsc.com.br

publicidade

publicidade

Mais colunistas

publicidade

publicidade