publicidade

Navegue por
Upiara

Moisés vê Bolsonaro e ouve Guedes

Compartilhe

Por Upiara Boschi
14/11/2018 - 19h27 - Atualizada em: 14/11/2018 - 19h39
Carlos Moisés
(Foto: )

O número 17 uniu os destinos de Jair Bolsonaro e Carlos Moisés da Silva, presidente e governador catarinense eleitos em outubro, em uma movimento brusco de mudança na política há muito pedida pelo eleitor e ignorada pelos partidos tradicionais. Nesta quarta, em Brasília, ambos voltaram a se encontrar em agenda pública, a reunião de Bolsonaro com 20 novos governadores.

Moisés vai a Brasília para se encontrar com futuro ministro da Casa Civil

Apesar da vinculação partidária, é nítido que não há maior proximidade entre o presidente e o governador eleito. Ambos tiveram poucos encontros durante a campanha eleitoral e no segundo turno Bolsonaro chegou a anunciar uma neutralidade que formalmente durou dois dias. Nessa primeira agenda de eleitos, Moisés foi mais uma vez ofuscado em uma ribalta que contava com o paulista João Dória (PSDB), o fluminense Wilson Witzel (PSC) e o brasiliense Ibaneis Rocha (MDB).

Membro da prestigiada plateia de eleitos, Moisés deve ter gostado do que ouviu. Futuro superministro da Economia, Paulo Guedes reafirmou o desejo de refazer o pacto federativo, equilibrando melhor com Estados e municípios a distribuição de recursos hoje fortemente concentrada na União. O futuro czar da economia fez um aceno imediato de alívio a governadores e prefeitos com a repartição de parte dos cerca de R$ 120 bilhões que o governo federal espera arrecadar com o leilão da transferência de direitos de exploração do pré-sal. Um alívio para quem, como Moisés, assumirá o poder com a folha de pagamento acima do limite e a arrecadação ainda titubeante.

Claro que há contrapartidas. Guedes quer os governadores engajados junto a suas bancadas pela aprovação das reformas, especialmente a da previdência. É uma lógica política já tentada sem sucesso pela ex-presidente Dilma Rousseff (PT) - foram várias reuniões com governadores em busca dessa composição. Por essa lógica, o governador faria a pressão sobre as bancadas federais do Estado que comanda.

Bolsonaro reclama de "irresponsabilidade" de Cuba ao suspender Mais Médicos

Essa lógica não funcionou com Dilma justamente por causa da concentração de recursos em Brasília. Os governadores têm influência junto às assembleias legislativas, onde os parlamentares dependem diretamente de acesso à máquina do Estado. Os deputados federais levam uma vida à parte, baseada nas emendas, agora impositivas, e o no trânsito federal. É possível que a pressão direta dos prefeitos nas bases tenha mais efeito sobre eles que a dos governadores.

Mas se o diagnóstico de Guedes está incorreto, o problema não é de Moisés e dos demais governadores. Há uma janela aberta para rediscutir a concentração de recursos em Brasília e precisa ser aproveitada. Outra janela de interesse direto do Estado deve ser apresentada mais à frente e tem relação com a posição liberal do futuro ministro.

Futuro ministro das Relações Exteriores já afirmou que PT "odeia o ser humano"

No final dos anos 1990, quando o ex--presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) deu início ao plano de desestatização, os Estados que aderiram a ele e aceitaram se desfazer das companhias locais, foram financeiramente ajudados. Na época, o governador Paulo Afonso Vieira (PMDB) não aceitou abrir essa janela. É possível que a história se repita e estará nas mãos de Moisés fazer essa escolha.

 

Leia também:

"Bolsonaro tem apoio e vai durar anos", diz José Dirceu

 

 

Deixe seu comentário:

publicidade

Navegue por
© 2018 NSC Comunicação
Navegue por
© 2018 NSC Comunicação