Como se faz um impeachment? A pergunta vem a calhar numa segunda-feira em que a palavra voltou a ganhar destaque em todo o país com a indicação ao Oscar do documentário Democracia em Vertigem. Em Santa Catarina, mais ainda, por causa do pedido de impedimento do governador Carlos Moisés (PSL) e da vice Daniela Reinehr (PSL), hoje no exercício do cargo, que brotou na Assembleia Legislativa.

Continua depois da publicidade

Pela Constituição para um impeachment basta um crime de responsabilidade julgado pelo parlamento – o Senado para presidentes da República, a Assembleia no caso dos governadores. Na prática, os exemplos recentes – inclusive o da ex-presidente Dilma Rousseff (PT) que motivou o documentário oscarizável – mostram que existe uma conjunção de fatores muito maiores do que a possível irregularidade.

Mais do que o suposto crime de responsabilidade, um impeachment depende de perda de apoio político e da sociedade. Governos bem avaliados e/ou com forte apoio parlamentar matam no peito as mais graves denúncias. Os frágeis, sucumbem diante de qualquer pedalada fiscal.

O pedido de impeachment de Moisés e Daniela apresentado pelo defensor público Ralf Zimmer tenta dar contornos políticos dramáticos ao velho esporte da elite do funcionalismo público: olhar o contracheque alheio em busca de possíveis equiparações. Zimmer – que apresentou o pedido de impeachment na condição de cidadão e com reações contrárias da Defensoria Pública do Estado e da Associação dos Defensores Públicos do Estado, cuja presidência teve que abandonar – embasa o pedido no controverso aumento salarial que equiparou o salário dos procuradores do Estado aos dos desembargadores, na casa dos R$ 35 mil.

Essa equiparação quase entrou por contrabando – leia-se emenda apresentada na Alesc – na reforma administrativa de Moisés. Foi vetada pelo governador, com alegação de falta de recursos e vício de iniciativa. Poucos meses depois, no entanto, passou a ser paga, em decisão administrativa. Segundo a Procuradoria Geral do Estado (PGE), advogada do governo e beneficiária, por cumprimento de uma decisão do Tribunal de Justiça já transitada em julgado.

Continua depois da publicidade

A concessão do aumento – cerca de 5 mil a mais no contracheque – a toda a categoria e não apenas aos beneficiados pela ação no TJ-SC é o crime de responsabilidade apontado por Ralf Zimmer para cassar o governador. A vice-governadora cairia junto por não ter revogado o ato durante seus dias de interinidade. Por mais que haja base para questionar a nebulosa concessão do benefício, são frágeis as condições para destituir uma chapa eleita com 71% dos votos a pouco mais de um ano.

Se Moisés enfrentasse uma crise de popularidade e a perda total da base de apoio parlamentar, o pedido de impeachment poderia ter alguma consequência – mas não por si só. Não há nas ruas um clima de rejeição ao governador. A base parlamentar não é das mais robustas, mas existe. Pedidos de impeachment costumam dormir nas gavetas da Alesc – só o ex-governador Raimundo Colombo (PSD) tinha 12. Este contra Moisés deve ter o mesmo destino. Não é assim que se faz um impeachment e os protagonistas do processo político em Santa Catarina sabem disso.

Destaques do NSC Total