nsc
    nsc

    Disputa interna

    Os recados de Bolsonaro ao PSL em Florianópolis

    Compartilhe

    Upiara
    Por Upiara Boschi
    17/10/2019 - 18h20 - Atualizada em: 17/10/2019 - 21h10
    Presidente usou discurso na aula inaugural da Academia Nacional da Polícia Federal para sinalizar engajamento na disputa interna do PSL e afagar deputados catarinenses que assinaram lista para que Eduardo Bolsonaro vire o líder do partido na Câmara (Foto: Tiago Ghizoni)
    Presidente usou discurso na aula inaugural da Academia Nacional da Polícia Federal para sinalizar engajamento na disputa interna do PSL e afagar deputados catarinenses que assinaram lista para que Eduardo Bolsonaro vire o líder do partido na Câmara (Foto: Tiago Ghizoni)

    Desde que as urnas em outubro do ano passaram fizeram o até então nanico PSL virar o partido do presidente da República e, em Santa Catarina, do governador, quatro deputados federais e seis deputados estaduais, tenho repetido aqui que a legenda é uma casa que começou a ser construída pelo telhado e que o principal desafio dos eleitos era fazer dele um partido de verdade. Nesta semana chegamos ao auge de um conflito bastante previsível pelos destinos da sigla que deu vazão à onda conservadora.

    Na Câmara dos Deputados, a ala mais próxima do presidente Jair Bolsonaro e a ligada a Luciano Bivar, dono da legenda, digladiaram-se entre quarta-feira e ontem em uma disputa de assinaturas para trocar o líder do partido.

    Os bolsonaristas queriam destituir Delegado Waldir (PSL-GO) e em seu lugar colocar Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). Um movimento claro de tomada da sigla. Os bivaristas - sim, agora existe isso - reagiram e conseguiram reunir um número maior de deputados do PSL em uma segunda lista, mantendo Waldir no posto.

    Até a noite de ontem, uma nova lista era preparada, com as redes bolsonaristas insuflando deputados mudarem de posição em favor de Eduardo. O dia foi marcado pelo vazamento de conversas do presidente articulando apoio ao filho e de Waldir prometendo implodi-lo.

    Em meio a tudo isso, o presidente Bolsonaro estava em Florianópolis na tarde nesta quinta-feira (17), na aula inaugural da Academia Nacional da Polícia Rodoviária Federal. No breve discurso que fez, mandou recados que remetem diretamente à disputa interna do PSL. Abriu dizendo que deve lealdade ao povo e saudou os catarinenses por ter sido aqui o primeiro Estado em que liderou pesquisas.

    Ao citar autoridades presentes, destacou a deputada federal Caroline de Toni e Coronel Armando, que assinaram a lista pró-Eduardo. Os pesselistas catarinenses que estavam na lista contrária, Daniel Freitas e Fabio Schiochet, nem estavam presentes - nos bastidores dizia-se que tiveram negada a carona no avião do presidente. Veja o que disse Bolsonaro ao cumprimentar Caroline de Toni:

    - É uma satisfação tê-la em meu partido, uma aliada leal de primeira hora. A minha bandeira, a sua e a do Coronel Armando é a mesma de antes de nos conhecermos - afirmou o presidente, enumerando afinidades, entre elas “não negociar coisas menores dentro do parlamento”.

    As tensões vão continuar. É o PSL erguendo suas paredes, definindo o se será um partido de centro-direita parlamentar ou a legenda de um líder popular com seguidores fiéis. A implosão da casa não é um opção a ser descartada.

    Leia também

    Planalto suspende indicação de Eduardo Bolsonaro à embaixada nos EUA

    "Não quero submeter meu filho a um fracasso", diz Bolsonaro sobre Eduardo

    Ainda não é assinante? Assine e tenha acesso ilimitado ao NSC Total, leia as edições digitais dos jornais e aproveite os descontos do Clube NSC.

    Deixe seu comentário:

    Últimas do colunista

    Loading...

    Mais colunistas

      Mais colunistas