nsc

publicidade

Congresso

SC não deve aderir ao Plano Mansueto

Compartilhe

Upiara
Por Upiara Boschi
09/09/2019 - 06h00
Programa de incentivo aos Estados e municípios em discussão no Congresso condiciona empréstimos a iniciativas como a privatização de estatais. Carlos Moisés avalia que, por enquanto, não vale a pena (Foto: Gabriel Lain/Diário Catarinense)
Programa de incentivo aos Estados e municípios em discussão no Congresso condiciona empréstimos a iniciativas como a privatização de estatais. Carlos Moisés avalia que, por enquanto, não vale a pena (Foto: Gabriel Lain/Diário Catarinense)

Se a decisão precisasse ser tomada hoje, Santa Catarina não iria aderir ao programa de auxílio financeiro a Estados e municípios em discussão no Congresso Nacional. O chamado Plano Mansueto, em referência a seu autor, Mansueto Almeida, secretário do Tesouro, ainda está em início de tramitação na Câmara dos Deputados - cercado de expectativa por causa das condicionantes que traz ao alívio financeiro que pode proporcional.

Essa é a conta que governadores e prefeitos terão que fazer: até quanto o dinheiro novo nos cofres compensa as contrapartidas. Aqui no Estado, a avaliação inicial da Secretaria da Fazenda é que não vale a pena. Para aderir ao plano, é necessário aceitar três de oito condicionantes - a principal delas é a privatização de bancos, companhias de energia, saneamento ou gás.

Há outros, entre eles a redução em 10% dos incentivos fiscais e não concessão de novos benefícios - algo que já está sendo colocado em prática pelo governador Carlos Moisés (PSL). Também consta na lista o fim de vinculações de receitas que não tenham previsão na Constituição Federal, o que poderia forçar a rediscussão do modelo de repasse por percentuais da arrecadação para os poderes - tema que Moisés também já tentou enfrentar.

O problema, no entanto, é a contrapartida. O governo federal disponibilizará R$ 40 bilhões a Estados e municípios em quatro anos - R$ 10 bilhões por ano - em autorização para empréstimos.

Atualmente, apenas 10 Estados têm notas A ou B junto ao Tesouro Nacional - o que lhes garante acesso a financiamentos com autorização do órgão. Com o Plano Mansueto, os Estados com nota C - caso de Santa Catarina - seriam autorizados a contratar até 3% da receita corrente líquida.

Para o governo catarinense, algo em torno de R$ 730 milhões, diluído em quatro parcelas anuais. Um reforço de caixa relevante, mas que não muda radicalmente o cenário das contas estaduais. Moisés acha que é possível obter essas receitas com economia e aumento de arrecadação - sem mexer na Casan e na Celesc e sem o governo federal a monitorar as contas do Estado.

O Plano Mansueto não deve passar incólume por Câmara e Senado, é claro. Mas outros Estados já olham com desconfiança para os benefícios. Paralelamente, ele deve ensejar uma discussão sobre privatização de estatais - talvez um novo foco de discussão com a ala radical do PSL catarinense.

Hoje a avaliação de Moisés é a mesma que levou Raimundo Colombo (PSD) a abortar a venda de ações da Casan em 2016 - o preço está muito baixo.

Leia mais

Carlos Moisés: "Reação do agronegócio foi exagerada"

Ainda não é assinante? Assine e tenha acesso ilimitado ao NSC Total, leia as edições digitais dos jornais e aproveite os descontos do Clube NSC.

Deixe seu comentário:

Upiara Boschi

Colunista

Upiara Boschi

Faz a leitura e a análise do contexto do cenário político de Santa Catarina, com informações de bastidores. Explica motivações e consequências das principais decisões tomadas nos poderes do Estado.

siga Upiara Boschi

Upiara Boschi

Colunista

Upiara Boschi

Faz a leitura e a análise do contexto do cenário político de Santa Catarina, com informações de bastidores. Explica motivações e consequências das principais decisões tomadas nos poderes do Estado.

siga Upiara Boschi

publicidade

publicidade

Mais colunistas

publicidade

publicidade