nsc
    dc

    Carvão Mineral

    Acordo com funcionários da Cooperminas em Criciúma encerra paralisação depois de quase um mês

    Estoque de carvão será negociado com mineradoras da região para que a produção continue e os empregos se mantenham

    23/12/2016 - 11h41

    Compartilhe

    Por Redação NSC
    Mobilização dos mineiros durou quase um mês até a reunião que deu origem ao acordo
    Mobilização dos mineiros durou quase um mês até a reunião que deu origem ao acordo
    (Foto: )

    Depois de quase um mês de paralisação e mobilizações, os trabalhadores da Cooperativa de Extração de Carvão Mineral dos Trabalhadores de Criciúma (Cooperminas) irão retomar as atividades normalmente. Um acordo com mineradoras da região e o Sindicato da Indústria de Extração de Carvão do Estado de Santa Catarina (Siecesc) vai encaminhar a venda das três mil toneladas de carvão mineral que estão estocadas na cooperativa.

    A notícia foi bem-vinda pelos 525 funcionários da Cooperminas, que estavam com o futuro incerto. Eles conseguiram receber uma das folhas atrasadas e irão retornar ás atividades. Nas últimas semanas, a cooperativa funcionou em menor ritmo, pois estava sem capital para comprar alguns insumos. Com o acordo fechado, a venda do carvão passa a ser negociada com a administração da Cooperminas com cada uma das empresas interessadas.

    O diretor executivo do Siecesc, Márcio Cabral, explicou que o acordo está mantido até que o Ministério Público do trabalho retorne do recesso de final de ano. A intenção é voltar a conversar com a Engie, que deixou de comprar carvão da Cooperminas no final do ano passado. O sindicato da indústria quer buscar um novo acordo junto ao MPT, para que a principal compradora de carvão mineral da região volte a negociar com a cooperativa.

    O presidente do Sindicato dos Mineiros de Criciúma, Djonatan Elias, considerou uma vitória o avanço das conversas com as mineradoras da região. Ele disse que as empresas foram sensíveis ao apelo da cooperativa, para que ela se mantenha aberta e atuante no mercado.

    — O problema não foi resolvido, mas o objetivo foi alcançado na questão de sensibilizar as mineradoras que estavam arredias em sentar e conversar com os trabalhadores. Fomos vitoriosos, conseguimos mostrar a importância dos trabalhadores da Cooperminas — comenta Elias.

    Leia mais:

    Mineiros fazem manifestação na Avenida Beira-Mar Norte, em Florianópolis

    Mineiros de Criciúma e região protestam contra vinda de carvão do RS

    Engie Tractebel estuda sair da geração de energia a carvão

    Deixe seu comentário:

    Últimas notícias

    Loading... Todas de Cotidiano

    Colunistas