nsc

publicidade

Vai responder em liberdade

Acusado de matar modelo em Imbituba deixa a cadeia após receber habeas corpus do STJ

Paulo Odilon Xisto Filho estava preso desde agosto deste ano

12/10/2019 - 21h02

Compartilhe

Por Samuel Nunes
Crime aconteceu em agosto de 2018
Crime aconteceu em agosto de 2018
(Foto: )

O oficial de cartório Paulo Odilon Xisto Filho deixou a Unidade Prisional Avançada de Imbituba, no Sul de Santa Catarina, no fim da tarde deste sábado (12). Ele estava detido no local desde agosto deste ano. Ele é acusado de matar a modelo gaúcha Isadora Viana Costa, de 22 anos. Na sexta-feira (11), o Superior Tribunal de Justiça (STJ) concedeu um habeas corpus, para que ele fosse liberado.

Xisto Filho estava detido em função de um mandado de prisão preventiva pelo crime, que aconteceu em 2018. Como a decisão do STJ não previa nenhum tipo de medida alternativa, ele poderá responder pelo crime em liberdade, sem qualquer restrição, como o uso de tornozeleira, por exemplo.

Embora a morde de Isadora tenha acontecido em 2018, o julgamento do réu ainda não tem data marcada. Por se tratar de um crime de homicídio, ele deve responder perante o Tribunal do Júri. O réu é acusado de homicídio triplamente qualificado por motivo fútil, feminicídio e impossibilidade de defesa da vítima, além de fraude processual.

O que diz a denúncia

De acordo com a denúncia do Ministério Público (MP), Paulo Odilon teria matado Isadora por motivo fútil: acreditando que o namorado havia sofrido uma overdose, Isadora acionou a irmã dele. Ainda conforme o MP, o oficial de cartório revoltou-se, pois escondia da família que usava drogas. Ele, então, teria agredido a jovem, provocando a morte dela.

Ele ainda foi acusado de fraude processual, por ter modificado a cena do crime lavando lençóis e toalhas, retirando garrafas de bebidas alcoólicas do local, espalhando comprimidos de remédios controlados pela residência e inserindo cobertores e malas na cama na qual estava a vítima.

A defesa do oficial de cartório contesta a acusação e sustenta que a vítima morreu vítima de parada cardíaca provocada por consumo de cocaína.

Deixe seu comentário:

publicidade