nsc
santa

Violência doméstica

Agressor é preso depois de quebrar o dedo da esposa durante discussão em Blumenau

Vítima e os filhos foram encaminhados a um abrigo onde serão acolhidas

08/07/2020 - 06h24 - Atualizada em: 08/07/2020 - 06h25

Compartilhe

Augusto
Por Augusto Ittner
Vítima disse que agressões são corriqueiras.
Vítima disse que agressões são corriqueiras.
(Foto: )

Uma mulher de 29 anos foi agredida pelo marido na noite desta terça-feira (8) no Vorstadt, em Blumenau. A ocorrência foi atendida pela Polícia Militar no Hospital Santo Antônio, já que a vítima teve diversos ferimentos pelo corpo. Ela contou aos PMs que o homem deu tapas, puxou o cabelo, e entortou um dedo dela até que quebrasse — o que motivou o encaminhamento à unidade de saúde.

> Receba notícias de Blumenau e do Vale por WhatsApp. Clique aqui e entre no grupo do Santra

A vítima ainda relatou que os casos de agressão são constantes e que ela já havia registrado outros boletins de ocorrência contra o marido. A mulher também contou que se sente insegura, com medo, e por isso a Assistência Social foi chamada. Tanto ela quanto os três filhos do casal foram acolhidos e levados a um abrigo específico para esse tipo de caso em Blumenau.

Depois disso os policiais foram até a casa onde ocorreu a agressão e encontraram o homem. Ele admitiu ter a agredido e foi preso e levado à Central de Polícia.

Números importantes

Polícia Militar

- Telefone 190: quando presenciar ou vivenciar algum episódio de violência contra a mulher.

Rede Catarina

- Telefone 3378-9047 e e-mail 10bpmredecatarina@pm.sc.gov.br: para receber acompanhamento da polícia ou buscar orientação sobre as ferramentas de proteção à mulher.

Central de Atendimento para Mulher em Situação de Violência

- Telefone 180: para buscar orientação sobre direitos e serviços públicos à população feminina, bem como para denúncias ou relatos de violência.

Delegacia de Polícia de Proteção a Mulher, Criança e Adolescente

- Telefone 3329-8829: para registrar ocorrência de violência contra a mulher, bem como requerer medidas protetivas e iniciar processos contra agressores.

Colunistas