nsc
santa

A maior de todas

Água-viva gigante é encontrada em Itajaí, veja fotos

É a maior da espécie já encontrada no Sul do Brasil e Argentina

01/10/2021 - 18h33

Compartilhe

Gabriela
Por Gabriela Ferrarez
Apesar do tamanho, a água-viva não oferece perigo
Apesar do tamanho, a água-viva não oferece perigo
(Foto: )

Uma água-viva gigante foi encontrada em Itajaí, no Litoral Norte de Santa Catarina, nesta quinta-feira (30). A amostra foi capturada durante uma saída de campo do projeto de Monitoramento de Águas-vivas da Universidade do Vale do Itajaí (Univali) para identificar espécies que possam oferecer perigo aos banhistas no verão. O animal é da espécie Lychnorhiza lucerna, comum na costa entre o Golfo do México e Argentina, e não oferece perigo.

> Receba notícias do Vale do Itajaí pelo WhatsApp

Segundo pesquisadores do Laboratório de Ecotoxicologia (Letox) da Escola do Mar, Ciência e Tecnologia da Univali, a amostra capturada tem 39 centímetros de diâmetro e pesa 4,6 quilos. É a maior da espécie registrada até hoje na região do Sul do Brasil e da Argentina.

O professor Charrid Resgalla Junior, responsável pelo Letox, explica que a saída de campo é realizada na primavera por ser a estação onde se encontra as águas-vivas, que podem queimar banhistas no verão, ainda pequenas:

— Toda água-viva queima, mas essa é bem pouco, não dá muito problema. Então, não causa acidentes com banhistas.

A Lychnorhiza lucerna é muito utilizada na culinária asiática e para a extração de colágeno. Charrid conta que águas-vivas desta espécie são chamadas por pescadores de "Repolhão":

— Essa espécie é comum, conhecida pelos pescadores porque geralmente é capturada na rede de arrasto durante pesca de camarão. Mas o tamanho dessa chamou a atenção. Acreditamos que é a maior encontrada no Sul do Brasil e na Argentina.

Veja fotos

De acordo com Charrid, uma vez tirada do mar, a água-viva não poderia sobreviver. Então, o animal foi encaminhado ao Laboratório de Anatomia da Universidade para preservar o espécime para futuras exposições.

Durante as saídas de campo para o projeto de Monitoramento de Águas-vivas, os pesquisadores observam as espécies, o tamanho, velocidade de crescimento e como as populações aumentam e diminuem. De acordo com a Univali, o objetivo é prever se existirão águas-vivas com potencial de envenenamentos de banhistas durante o período de veraneio

Leia também

O que fazer em caso de queimadura com água-viva

Conheça a Chrysaora lactea, a água-viva mais comum em Santa Catarina

Cobra píton amarela é venenosa? Descubra tudo sobre a espécie

Colunistas