O ano de 2023 foi identificado como o mais quente que se tem registro na história da humanidade, conforme apontou relatório do observatório europeu Copernicus divulgado nesta terça-feira (9). O planeta teve temperatura de 14,98°C em média, 0,17ºC acima de 2016, o ano mais quente até então. Além disso, pela primeira vez, todos os dias do ano ficaram ao menos 1ºC acima do nível pré-industrial.

Continua depois da publicidade

Siga as notícias do NSC Total pelo Google Notícias

A série histórica de registros tem início em 1850. É possível afirmar, no entanto, que o recorde de 2023 é ainda maior em relação a esse período, uma vez que técnicas de paleoclimatologia permitem comparações mais longas ao estimarem as condições do clima em épocas anteriores com base em vestígios naturais.

— As temperaturas durante 2023 provavelmente excederam as de qualquer período pelo menos nos últimos 100 mil anos — disse Samantha Burgess, vice-diretora do Serviço de Mudanças Climáticas Copernicus, acrescentando que recordes de calor caíram como “dominós” no ano passado.

Calor acima de limite seguro

O relatório do Copernicus indica que, em quase metade dos dias de 2023, a temperatura média do planeta ficou mais de 1,5ºC acima do nível pré-industrial de 1850 a 1900.

Continua depois da publicidade

Esse é o limite previsto pelo Acordo de Paris e entendido como seguro por cientistas para se evitar efeitos ainda mais catastróficos das mudanças climáticas, desencadeadas pelo aquecimento do planeta.

Em dois dias de novembro do ano passado, a temperatura média da Terra chegou ainda a ultrapassar 2ºC do nível pré-industrial. Além disso, entre outros recordes de calor de 2023, todos os meses de junho a dezembro foram mais quentes que os meses correspondentes de anos anteriores.

Alerta para redução de emissões de gases de efeito estufa

O relatório do Copernicus sobre o calor sem precedentes em 2023 foi acompanhado ainda de um alerta para a necessidade de redução das emissões dos gases de efeito estufa na atmosfera, que têm origem, especialmente, pela queima de combustíveis fósseis, impulsionada pela revolução industrial.

— Os extremos que observamos ao longo dos últimos meses fornecem um testemunho dramático de quão longe estamos agora do clima em que a nossa civilização se desenvolveu. Isto tem consequências profundas para o Acordo de Paris e para todos os esforços humanos. Se quisermos gerir com sucesso a nossa carteira de riscos climáticos, precisamos urgentemente descarbonizar a nossa economia — afirmou Carlo Buontempo, diretor do Copernicus, na ocasião de divulgação do relatório.

Continua depois da publicidade

Leia mais

SC tem menor emissão de gases de efeito estufa em 10 anos

SC tem sensação térmica acima dos 55ºC nesta segunda

Crise climática deve trazer mais calor, chuvas e aumento do nível do mar a SC

Por que SC lida com tantos extremos climáticos?

Destaques do NSC Total