Os sambaquis, montes construídos com conchas há milhares de anos, ajudam a descobrir novas evidências sobre ancestralidade no litoral brasileiro. Mais precisamente em Laguna, no Sul de Santa Catarina, o sítio arqueológico Galheta IV tem sido um espaço rico de informações.

Continua depois da publicidade

Entre na comunidade exclusiva de colunistas do NSC Total

— Esse sítio desperta interesse dos arqueólogos que trabalham com sambaquis, porque apesar de ser um sítio do litoral, ele possui características de uma população indígena do interior: proto-Jê do Sul, descendente dos atuais indígenas Kaingang e Xokleng — destaca a pesquisadora Jéssica Mendes Cardoso.

FOTOS: Como visitar as principais inscrições rupestres na Ilha de Santa Catarina

Jéssica é a primeira autora de um estudo publicado na revista internacional Plos One em março deste ano, fruto do seu doutorado no Museu de Arqueologia e Etnologia (MAE) da Universidade de São Paulo (USP) e na Universidade de Toulouse, na França. A arqueóloga é natural de Tubarão e graduada pela Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul).

Continua depois da publicidade

Segundo a pesquisadora, desde a década de 1960, questiona-se a interação entre os grupos indígenas pré-coloniais, que habitavam o litoral e construíram os sambaquis ao longo de seis mil anos, com povos Jê. Os novos estudos mostraram que o desaparecimento dos sambaquieiros não seria uma substituição pelos povos Jê, como se acreditava antes.

— A pesquisa no Galheta IV e o artigo publicado é resultado de um trabalho de mais de 10 anos com as coleções arqueológicas recuperadas lá. Com o compilado de análises feitas, concluímos que houve uma interação entre sambaquieiros e Jê, mas não uma substituição ou invasão/migração de grupos do interior para o litoral. A população de Galheta incorporou algumas características culturais dos Jê, mas ainda assim pertence aos grupos sambaquieiros — explica Jéssica.

Os materiais analisados foram escavados pela equipe da Unisul e da USP entre os anos de 2005 e 2007. A partir das novas descobertas, o estudo ajuda a responder perguntas feitas desde os anos 1960 e aponta que outros fatores, ainda em investigação, podem ter contribuído para a interrupção da construção dos sambaquis.

Veja imagens da pesquisa

Continua depois da publicidade

Leia também

FOTOS: Professora encontra ossada em sambaqui que está desabando em praia de Florianópolis

Ilha do Campeche: tudo o que você precisa saber para visitar o “Caribe Catarinense”

Destaques do NSC Total