nsc
dc

publicidade

Estado

Audiências realizadas pela Alesc discutem possível reorganização dos municípios de SC

Terceira reunião promovida pela Comissão de Assuntos Municipais ocorreu em Capinzal, no Oeste do Estado

10/06/2019 - 06h46

Compartilhe

Redação
Por Redação DC
Audiências públicas realizadas pela Alesc discutem possível reorganização dos municípios de SC
Prefeitos e vereadores participaram da reunião realizada pela Comissão de Assuntos Municipais da Alesc
(Foto: )

Uma possível mudança na organização dos municípios catarinenses é tema de uma série de audiências públicas promovidas pela Assembleia Legislativa. Prefeitos de 40 localidades do Oeste do Estado se reuniram com a Comissão de Assuntos Municipais, da Alesc, no município de Capinzal para discutir a proposta — outras duas audiências já ocorreram na Serra e no Vale do Itajaí.

A falta de sustentabilidade financeira dessas prefeituras teria motivado o debate sobre possíveis fusões e incorporações de municípios pequenos por localidades maiores. A discussão teve início a partir de um estudo realizado pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE/SC) sobre 105 municípios catarinenses com menos de 5 mil habitantes.

A pesquisa apontou que apenas 10% da receita dessas localidades é gerada a partir de tributos municipais — o Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS) e Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) — o que demonstra, conforme a Alesc, a dependência em relação aos repasses estaduais e federais.

Mas as audiências públicas são apenas o começo dessa discussão. “Esse estudo não é conclusivo como indicativo de uma eventual reaglutinação de municípios. Depende de muitas outras informações e avaliações que, necessariamente, precisam levar em consideração outros aspectos”, afirmou o diretor de Controle de Municípios do TCE/SC, Moisés Hoegenn.

O presidente da Comissão, Jerry Comper (MDB), afirma que a iniciativa tem o objetivo de aprimorar a legislação federal relacionada às pequenas localidades e à criação de novos municípios.

“Vamos colher essas opiniões e, depois, levar um resumo à Brasília, ao presidente da Câmara dos Deputados, para buscarmos um entendimento sobre o que podemos fazer para esses municípios”, disse o deputado estadual.

Presidente da Ammoc critica proposta

A atual distribuição das verbas entre municípios, estados e União não tem agradado vereadores e prefeitos desses municípios, que defenderam a manutenção da atual divisão de municípios no Estado.

O pacto federativo, que atualmente orienta a divisão da arrecadação entre as prefeituras, os governos estaduais e federal, foi criticado pelo presidente da Associação dos Municípios do Meio-Oeste Catarinense (Ammoc), Gianfranco Volpato, na reunião mais recente da série, realizada na tarde de sexta-feira (7).

Ele, que também é prefeito do município de Ibicaré, no Meio-Oeste do Estado, defende que a análise leve em conta a contribuição de cada localidade para o Estado e a União.

“Eu não vejo nenhuma indústria no Palácio do Planalto, nem no centro administrativo do Governo do Estado. Então, com certeza, os municípios arrecadam mais do que o suficiente para manter suas atividades e todos os serviços que podem oferecer ao cidadão”, argumentou Volpato.

Uma nova audiência pública está marcada para esta sexta-feira (14), no município de Cunha Porã, também no Oeste.

Leia mais notícias de Santa Catarina

Deixe seu comentário:

Últimas notícias

Loading interface... Todas de Política

publicidade

Colunistas

    publicidade

    publicidade

    publicidade