nsc
dc

Da comunidade para a praia

Aula de surfe leva alegria para as crianças da Chico Mendes, em Florianópolis

Projeto social da comunidade que fica na região continental de Florianópolis atende cerca de 50 menores

13/12/2017 - 16h49

Compartilhe

Por Redação NSC
(Foto: )

Danielle de Oliveira, de nove anos, nunca tinha subido em uma prancha de surfe e nem imaginava que um dia iria aprender a pegar uma onda. Mas na tarde desta quarta-feira, ela fez a primeira aula de surfe graças à Geração da Chico, projeto que atende 50 crianças e adolescentes que vivem na comunidade Chico Mendes, bairro Monte Cristo, na área continental de Florianópolis. Além de Daniella, mais 12 crianças passaram a tarde na praia da Joaquina, no leste da Ilha, correndo, brincando e, claro, aprendendo a surfar.

— Foi muito fácil. Ele (professor) falou pra eu deitar na prancha e quando chegasse a onda era pra eu levantar. Só caí duas vezes — conta Daniella sobre a experiência.

Para a colega Kemele Kauane da Silva, de 10 anos, as primeiras aulas foram um pouco mais difíceis, mas ela superou os medos e hoje já se sente mais confiante ao entrar no mar.

— Comecei com a prancha pequena e agora tô com a grande. Quando tô em cima da prancha dá um pouco de medo porque quando o professor solta eu fico sozinha. Mas eu gosto muito, é muito legal — diz.

(Foto: )

Boa ação

As aulas de surfe dentro do projeto da Geração da Chico começaram em junho deste ano graças à vontade de ajudar alguém do professor de surfe Willian Vieira Comicholi, 40 anos. Ele conheceu o projeto através das redes sociais e ofereceu as aulas gratuitas para a molecada. Desde então, a cada 15 dias, as crianças saem da comunidade e vão até a praia pegar muitas ondas.

— Eu sempre quis ter um projeto social e sei que as crianças são as que mais sofrem com a desigualdade. Para mim é uma satisfação imensa ver eles sorrindo e esquecendo dos problemas que tem em casa. Eu sei que nem todos seguirão no surfe, mas vai ajudar eles a ver a vida de outra maneira. O surfe contribui muito com a vida pessoal e profissional porque é um esporte muito difícil, exige persistência, paciência e disciplina, assim como na vida — diz Comicholi.

O transporte das crianças até a praia também é feito por meio da solidariedade. Uma corrente do bem, formada por pessoas e empresas que doam recursos para o projeto, ajuda no custeio do aluguel da van que transporta a criançada.

A coordenadora do projeto, Ana Karolina Dias de Oliveiras, conta que nas primeiras aulas a garotada ficava enlouquecida pra entrar no mar e brincar. Tinha crianças que nem conheciam a praia. Segundo ela, muitas famílias acabam nem saindo da comunidade e o mar se torna uma realidade distante, mesmo estando tão perto delas.

— Dá pra ver no rosto deles a felicidade e eu também fico muito feliz de poder trazer as crianças da Chico pra praia. É bom porque eles saem da rotina e entram em contato com a natureza. Quando voltam pra casa se sentem aliviados, recarregam as energias.

O projeto

A Geração da Chico existe desde 2015 e fica na Servidão Pétalas Dumont. Atualmente atende 50 crianças com idade entre cinco e 15 anos. Além das aulas de surfe, elas fazem outras oficinas como capoeira, ioga e dança. Um dos requisitos para participar das aulas é estar matriculado em uma escola e tirar notas boas.

Colunistas