nsc

publicidade

Números

Balanço: cinema nacional teve um ano de 2016 com altos e baixos

Filmes mais vistos se tornaram fenômenos populares, mas a grande maioria dos longas brasileiros lançados no ano foi ignorada pelo público

16/01/2017 - 19h00 - Atualizada em: 17/01/2017 - 07h33

Compartilhe

Por Redação NSC
"Os Dez Mandamentos": o filme que mais vendeu ingressos no Brasil em 2016
"Os Dez Mandamentos": o filme que mais vendeu ingressos no Brasil em 2016
(Foto: )

Entre Os Dez Mandamentos, estreia bombástica de janeiro do ano passado, e Minha Mãe É uma Peça 2, fenômeno de bilheteria registrado no fim de dezembro, 2016 se revelou uma temporada de números superlativos para o cinema brasileiro. Em dois sentidos. O primeiro: desde a chamada retomada da produção, nos anos 1990, nunca os filmes nacionais venderam tantos ingressos nas salas do país em um ano – 30,1 milhões, com R$ 354,8 milhões arrecadados. Segundo: 126 títulos produzidos ou coproduzidos no Brasil entraram em cartaz na programação dos cinemas, quantia que mantém o crescimento registrado em 2015, quando 128 títulos nacionais estrearam no circuito.

Como foram lançados, no total, 447 longas-metragens, pode-se dizer que

28,1% dos filmes que estrearam em 2016 no Brasil são nacionais. Em ingressos vendidos, no entanto, a porcentagem é consideravelmente menor: 14,6%.

O número é baixo em comparação com outros países (os filmes argentinos fecharam o ano com 24,7% de participação na arrecadação de seu mercado doméstico), mas é significativa dada a realidade brasileira: neste século, apenas três vezes os longas brasileiros tiveram fatia maior do total de ingressos vendidos (em 2015 e 2014, as porcentagens ficaram em 12,7% e 12,4%).

Os dados são da empresa especializada no mercado nacional Filme B.

Leia também:

"Os Dez Mandamentos" bate recorde do cinema nacional

"Aquarius" e "Elle" ganham o Prêmio Abraccine

Marcelo Perrrone: "Aquarius" é o filme do ano?

O principal responsável pela alta dos números no país é Os Dez Mandamentos, que vendeu mais de 11,2 milhões de ingressos. Nenhum blockbuster de Hollywood comercializou tantos bilhetes em 2016 no Brasil – mas houve aqueles que, graças às sessões em 3D e Imax, faturaram mais: Capitão América: Guerra Civil, visto por 9,6 milhões de pessoas, acumulou bilheteria de R$ 143 milhões,

e Batman vs. Superman: A Origem da Justiça, visto por 8,5 milhões, faturou

R$ 132 milhões (Os Dez Mandamentos arrecadou, no total, R$ 116 milhões).

Lançado na semana do Natal, Minha Mãe É uma Peça 2 vendeu 2,8 milhões de ingressos em apenas nove dias até o final do ano – na semana passada, o longa com Paulo Gustavo já havia ultrapassado os 6 milhões, tornando-se o terceiro longa nacional mais visto no país desde a retomada (só Os Dez Mandamentos e Tropa de Elite 2 têm números superiores entre os títulos lançados desde os anos 1990). Em 2016, foram sete os filmes nacionais a venderem mais de 1 milhão de tíquetes, cinco do gênero comédia.

Os chamados "filmes médios", vistos por entre 100 mil e 1 milhão de pessoas, também cresceram, na comparação com 2015: foram 15 longas no total, vários de outros gêneros, como biografia (Mais Forte que o Mundo, sobre o lutador

Zé Aldo, com 565 mil bilhetes vendidos, e Elis, sobre a cantora Elis Regina

com 538 mil) e drama (O Vendedor de Sonhos, com 611 mil, e Em Nome da Lei, com 231 mil).

Há de se considerar, para além dos números brutos, o fato de que vários longas foram lançados em poucas salas – e mesmo assim conquistaram público respeitável, casos sobretudo de Nise: O Coração da Loucura, exibido em 87 cinemas (para comparação: Minha Mãe É uma Peça 2 passou em 1,2 mil), e Aquarius, única produção da pequena distribuidora Vitrine Filmes na lista dos 20 longas nacionais mais vistos de 2016 (11 dos 15 campeões de bilheteria do país foram distribuídos pelas gigantes Downtown e Paris Filmes).

As notas ruins ficaram para as produções pouco vistas – mais de cem filmes foram assistidos por menos de 100 mil pessoas cada. Entre eles, há títulos aclamados pela crítica, como Boi Neon, de Gabriel Mascaro, e Para Minha Amada Morta, de Aly Muritiba, e estrelados por astros da televisão, como

Prova de Coragem, com Mariana Ximenes, e Mundo Cão, com Lázaro Ramos

e Adriana Esteves.

OS NÚMEROS

Os 10 campeões de bilheteria de 2016 no Brasil

Os Dez Mandamentos: 11,3 milhões de ingressos / R$ 116,8 milhões

Capitão América: Guerra Civil: 9,6 milhões de ingressos/ R$ 143,3 milhões

Batman vs. Superman: 8,5 milhões de ingressos / R$ 132,4 milhões

Procurando Dory: 8,1 milhões de ingressos / R$ 113,4 milhões

Esquadrão Suicida: 7,8 milhões de ingressos / R$ 118 milhões

Deadpool: 6 milhões de ingressos / R$ 81,9 milhões

A Era do Gelo – O Big Bang: 5,2 milhões de ingressos / R$ 71,2 milhões

Doutor Estranho: 4,7 milhões de ingressos / R$ 74,6 milhões

Pets – A Vida Secreta dos Bichos: 4,4 milhões de ingressos / R$ 62 milhões

X-Men – Apocalipse: 4,3 milhões de ingressos / R$ 65,8 milhões

Os 10 campeões nacionais de bilheteria de 2016 no Brasil

Os Dez Mandamentos: 11,3 milhões de ingressos / R$ 116,8 milhões

Minha Mãe É uma Peça 2: 2,8 milhões de ingressos / R$ 36,9 milhões*

Carrossel 2: 2,5 milhões de ingressos / R$ 28,5 milhões

Até que a Sorte nos Separe 3: 2,4 milhões de ingressos / R$ 30,7 milhões

É Fada!: 1,7 milhão de ingressos / R$ 20,7 milhões

Tô Ryca: 1,1 milhão de ingressos / R$ 14,7 milhões

Um Suburbano Sortudo: 1 milhão de ingressos / R$ 14,3 milhões

Vai que Dá Certo 2: 923 mil ingressos / R$ 11,9 milhões

Um Namorado para Minha Mulher: 662 mil ingressos / R$ 9 milhões

O Vendedor de Sonhos: 611 mil ingressos / R$ 8,2 milhões

*O filme segue em cartaz. Somando os ingressos vendidos em 2017,

já passou dos 6 milhões.

O 5 blockbusters campeões de arrecação na América do Norte

Procurando Dory: US$ 486 milhões**

Rogue One: Uma História Star Wars: US$ 483 milhões**

Capitão América: Guerra Civil: US$ 408 milhões**

Pets – A Vida Secreta dos Bichos: US$ 368 milhões**

Mogli: O Menino Lobo: US$ 364 milhões**

**Arrecadação dos filmes apenas nos cinemas dos EUA e do Canadá.

Deixe seu comentário:

publicidade