Os anúncios de licitação para reforma e implantação do canal extravasor na barragem de José Boiteux deram a impressão de que logo a estrutura poderia estar funcionando plenamente. Mas, na prática, a situação não avançou como se esperava e três obstáculos precisam ser superados pela Defesa Civil de Santa Catarina para que as obras virem realidade.

Continua depois da publicidade

Clique aqui e receba notícias de Blumenau e região pelo WhatsApp

O mais recente deles é quanto à licitação da reforma estrutural da barragem. O processo chegou a ser lançado no fim do ano passado e duas empresas apresentaram propostas. Porém, antes mesmo da abertura dos envelopes com os preços, o governo do Estado percebeu que houve um erro. Em vez de publicar a licitação no Diário Oficial da União, o edital saiu no Diário Oficial do Estado.

E qual o problema nisso? É que a obra de quase R$ 10 milhões será paga com recurso do governo federal, então precisa ter a licitação publicada lá, explica o diretor de Gestão de Riscos, Leonel Delmiro Fernandes. Agora, a licitação lançada em novembro será cancelada e uma nova aberta. Para isso, todas as etapas burocráticas e prazos terão de ser respeitados novamente.

O governo do Estado disse também que, além da licitação, precisa cumprir o que foi acordado com o Ministério Público Federal (MPF) sobre as compensações à comunidade Xokleng, uma vez que a barragem foi construída dentro da Terra Indígena legalmente demarcada. O Plano de Contingência para eventos hidrológicos e geológicos está na lista e deve ser debatido no dia 31 deste mês, em audiência pública.

Continua depois da publicidade

A obra do canal extravasor também está emperrada. De acordo com Fernandes, a empresa contratada para fazer a implantação já esteve no local e chegou a começar a montar o canteiro de obras, mas a Defesa Civil de Santa Catarina ainda busca autorizações ambientais para execução, pois encontrou um sítio arqueológico no local, que precisa ser removido.

Leia também: Linha do tempo explica impasse entre governo e indígenas sobre Barragem de José Boiteux

A barragem de José Boiteux é a maior do Brasil voltada à contenção de cheias e tem papel fundamental para conter a elevação do nível do Rio Itajaí-Açu no Médio Vale do Itajaí. Porém, a estrutura foi construída dentro de uma área indígena e virou alvo de impasse com os moradores locais. O povo Xokleng pontua os impactos ambientais da estrutura, já que quando chove, por exemplo, as estradas são alagadas.

Os indígenas chegaram a fazer um acampamento em frente à barragem e impediram que a Defesa Civil acesso o local. Houve depredação e os maquinários sumiram. Desde então, a estrutura só funciona de forma improvisada, com o uso de um caminhão hidráulico para subir e descer as comportas.

Vídeo explica impasse na barragem de José Boiteux

Leia mais

Jorginho vai pedir abatimento de R$ 465 milhões pagos por Moisés a obras em rodovias federais

Continua depois da publicidade

Interinidade de Maria Regina em Blumenau expõe hesitação do governo para 2024

Portonave recebe licença ambiental para novo investimento no porto de Navegantes

Destaques do NSC Total