nsc
    dc

    publicidade

    PEC das Domésticas

    Câmara aprova regulamentação dos direitos dos empregados domésticos

    Ainda faltam ser votadas as emendas e destaques, o que ficou para a semana que vem

    13/03/2015 - 11h26

    Compartilhe

    Por Redação NSC
    (Foto: )

    A Câmara dos Deputados aprovou, no começo da tarde desta sexta-feira, o projeto de lei complementar que regulamenta os direitos e deveres do empregado doméstico. Foram 319 votos a favor e 2 contra. Um acordo entre líderes partidários e o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), adiou para a próxima semana a votação das emendas e dos destaques que visam a modificar o texto aprovado.

    :: Salário mínimo regional segue com valor antigo, até julgamento da Justiça

    :: Há quase dois anos sem regulamentação

    Depois de votada as emendas e os destaques, o projeto aprovado retorna ao Senado para nova apreciação, já que o texto dos senadores foi modificado na Câmara. Depois de aprovado pelo Senado, o projeto será encaminhado à sanção presidencial.

    Antes da votação desta tarde, os deputados aprovaram, por 190 votos a 174, um requerimento da deputada Benedita da Silva (PT-RJ) para modificar o texto original, do senador Romero Jucá (PMDB-RR), que já foi aprovado pelo Senado.

    A emenda substitutiva da deputada Benedita, que incorporou sugestões dos domésticos e do governo, mantém em 12% a contribuição previdenciária do empregador, que tinha sido reduzida para 8% no texto aprovado pelo Senado, além de outros pontos. Essa emenda já foi aprovada.

    Os direitos e deveres dos domésticos foram estabelecidos pela Emenda Constitucional 72, aprovada e promulgada pelo Congresso Nacional. Entre os direitos estão, por exemplo, o seguro-desemprego, indenização por demissão sem justa causa, conta no Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, pagamento de horas extras, adicional noturno, seguro contra acidente de trabalho e jornada diária de 8 horas.

    A maioria dos deputados elogiou a aprovação da emenda de Benedita da Silva em substituição ao texto do Senado. No entanto, a proposta aprovada poderá sofrer alguma alteração na votação das emendas e destaques. Alguns deputados disseram que não adianta ter lei boa e não ter emprego e que é preciso ter os dois.

    Deixe seu comentário:

    publicidade

    publicidade

    publicidade

    publicidade